segunda-feira, setembro 25, 2006

Subsídio a uma nova taxinomia



Nessas coisas de direita e esquerda, eu, se não sou o tipo mais rigorosamente imparcial que se conhece, devo andar lá perto. Ora, isso confere-me uma certa autoridade para falar no assunto. É, por conseguinte, investido desse distanciamento científico, e sempre diligente nas contribuições para o enriquecimento das tabelas e quadros culturais, que julgo oportuno sugerir uma dicotomia alternativa à já célebre direita dura/direita mole. Que tal direita tesa/direita murcha?
Ou talvez "alternativa" não seja a melhor caracterização. Talvez "complementar" seja mais apropriado. Isto é, abrangendo um outro âmbito até aqui descurado e órfão de taxinomia. Afinal de contas, enquanto a "direita mole", tudo indica, ostenta enfermar duma incontinência mental consumptiva, já a "direita murcha", claramente, manifesta contorcer-se numa disfunção eréctil intelectual, agravada duma amnésia selectiva emulsionante. Separa-as, estou em crer, a distância que vai da direita em busca de Imodium à direita à procura de Viagra. Ambos, claro está, e de preferência, em forma de supositório...inteligente.
É preciso nunca esquecer que estamos a falar de pessoas com um estômago muito sensível. Um melindre pegado de gente.

Debruçar-me-ei já de seguida sobre a esquerda. É só mudar de luvas e de pinças.

6 comentários:

A.H. disse...

Lol!!!

sdm disse...

"Direita tesa"? Oh, meu amigo... O estrebuchar do Pacheco Pereira ou do Graça Moura (onomatopaicamente: tic, tic, tic, pim, É a guerra!, tic, tic, tic, pim, É a guerra!, tic, tic, tic, pim, É a guerra!...) não é tesão, é priapismo.

zazie disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
zazie disse...

ehehe é a diferença entre a virilidade da direita de tailleur e a de lacinho

":O)))

dragão disse...

Caro sdm,
Sejamos sérios: o Pacheco e o Vasco que refere (bem como o outro Vasco que não refere) nem direita mole são (quanto mais agora tesa): são direita em estado de liquefacção.

josé disse...

SObre a direira e a esquerda, o bravo Vital Moreira, hoje no Público, publica a sua opinião: a distinção faz-se pelo lado dos direitos sociais. Já não é a economia que conta, para o Vita. Isso já foi chão que deu uvas-mijonas e de colhão de galo( verdade, era assim que se chamavam na minha terra)...
Ora tomem!

A carta social europeira é de esquerda e é por isso que os arautos do COmpromisso Portugal, a querem rasgar. Ora tomem lá novamente que vem do Vital.

Este Vital é um tratado.
E dizer que a sua tese de doutoramento versa sobre a organização da exploração do vinho do Porto...