quarta-feira, setembro 20, 2006

Não há teorias precárias




«Every genuine test of a theory is an attempt to falsify it, or to refute it. Testability is falsifiability.»
- Karl Popper

Steven E. Jones é um conceituado professor de física duma universidade norte-americana. Recentemente, dum ponto de vista estritamente científico, fez à teoria oficial do colapso da Torres do WTC aquilo que Karl Popper, esse farol da moda, recomenda (e bem) que se faça. Testou-a exaustivamente. Parece que a teoria não se aguentou lá muito bem.
O relatório e o resultado, que, asseguro, não perdem nada em constatar, encontra-se aqui: «What Caused Not Two but Three World Trade Center Skyscrapers to COMPLETELY Collapse on 9/11/200»

Chamo a atenção que não se trata propriamente duma "teoria da Conspiração", mas sim duma investigação em redor do colapso estrutural das Torres, bem como dum certo número de fenómenos físicos associados.

O professor Jones, entretanto, foi sumariamente despedido pela universidade. Provavelmente, alguém a quem ele terá "falsificado" a teoria, "falsificou-lhe" o emprego. Isto revela uma das grandes verdades essenciais do nosso tempo: não há teorias precárias; há, isso sim, empregos precários.


Uma muito boa noite!...

13 comentários:

zazie disse...

ehehe,

Vou espreitar isso. Mas aviso-te já que o Popper nunca me convenceu. Aquela ideia de uma teoria poder cair à custa de uma refutação à tabela é demasiado frágil.
As boas teorias inserem-se em paradigmas que prevêem a inclusão de erros e falhas e cuja refutação necessita de um tempo longo.

E mais, que também me deu um ataque de autoridade: os cientistas que conheço dizem o mesmo!


":O))))

dragão disse...

O Popper é o querido dessa malta liberalóide e anglo-culta. Foi por isso mesmo que o citei.
De resto, não é um filósofo: é um "epistemólogo". Um especialista. Mas entre muitas banalidades, sempre contribuíu para baixar a crista à ciência.
Agora, na idade do hamburguer, vires falar de "tempo longo", não lembra ao diabo!...:O))
Isto já não é o ancient régime....

Anónimo disse...

_"teoria da Conspiração”
_ sumariamente despedido pela universidade
_ terá "falsificado" a teoria

Estas expressões recordam, bem a propósito, um ‘certo’ Tabu, cujas vítimas são enlameadas com as mesmas ‘acusações.
E esta, hem!

kommando disse...

É proibido duvidar.

zazie disse...

realmente, essa do tempo longo deve-se ao adiantado da hora ehehe

Ainda não li a conspiração mas o Popper disse cá umas banalidades que não te digo nada...

Não sei se baixou a crista à Ciência sei que a levantou aos "homens de letras" que são uma espécie que ainda me incomoda mais.

Os "homens de letras" são aqueles pseudo-científicos que falam sempre de olhos revirados para o infinito e de forma poética, sem precisarem de estar pedrados ou bêbados. Só por serem muito "sensíveis" e acharem que a lógica é uma batata.

É claro que não estou a pensar nem no Caguinhas nem em ti. Não sou ceguinha ":O)))

dragão disse...

Eu também acho que o Popper abusou dos espinafres.

HO disse...

É conceituado, é. Como quem diz tido em certo conceito. Avaliado, cotado. Agora, a partir daqui, já depende um bocado da bitola.

E o que conceitua o sujeito? Assim de rajada, um livrinho chamado "Behold My Hands: evidence for christ's visit in ancient america". De um ponto de vista estritamente científico prova que Jesus Cristo andou pela América Latina depois da ressureiçao. Evidências arqueológicas e fenómenos físicos associados. Não fiquem incrédulos que isto é verdade. (que ele escreveu o livro e que a tese é esta; se o cristo andou a lambuzar-se com parrillas portenas e caipirinhas e ficou fossilizado no corcovado não sei que não fui muito exaustivo - se houver interesse envio o livrinho em pdf.)

O conceito ainda era incerto mas a glória e a fama não tardaram. Duas palavrinhas: fusão a frio. Uma coisa mais metafísica que cristo a passear pelas américas; mas infinitamente mais compensadora. A história - de final um bocado lúgubre - é conhecida. Para detalhes, fica aqui um histórico paper: http://blake.montclair.edu/~kowalskil/cf/131history.html

Já se fica com uma ideia do conceito. Ultimamente, regressou aos holofotes: acusou o Bush de ser um ditador, recitou uma versão um bocado canhestra do preâmbulo da declaração da independência (he has refused his assent to laws e tal) como quem apela à revolução armada, very touching, e é presidente de um desses grupos da conspiração (não me lembro qual).

Nenhum juízo de valor. Quero ser tão "estritamente científico" como o dragão assegura que é o relatório do conceituado. Mas fica uma ideia, não fica?

E não foi "despedido sumariamente": está colocado no paid leave. Até é isto que está no link. Um gajo quando tem um inglês periclitante deveria fazer uso de alguma cautela. Ou ser exaustivo, sei lá. Se vai ser despedido ou não, depende agora do teste exaustivo que uns desgraçados estão a fazer. A ver se a CIA os suborna ou assim.

Só um reparo ao post: a falsicabilidade aplica-se a teorias científicas. Não é exactamente isso que ele faz nos slides (o "faz" é eufemistico e catacrésico). Não diz que a queda das torres põe em causa alguma lei da física; outrossim que no respeito das actuais teorias há uma explicação mais plausível. Há uma revisão de dados e não de teorias. Por isso a referência ao Popper, que fica bem e dá panache, não faz sentido.

HO disse...

"Aquela ideia de uma teoria poder cair à custa de uma refutação à tabela é demasiado frágil."

Esta teoria é do Popper? Está em que livro? O Popper entusiasmava-se um bocado mais do que lhe seria próprio com "saltos revolucionários". Daí vir para aqui, enfim. A moda, afarolada ou não como as largas das faenas, é agora dizer que o Popper, na filosofia da ciência, só escrevia banalidades. Tão banais que quase nenhuma é posta em causa e que, talvez por serem tão banais, nunca ninguém se lembrou delas antes. Enfim, como dizia o outro, o que está escrito nao vale muito,

Anónimo disse...

O Buiça deveria esquecer tudo acerca do sr Jones.

O que está aqui em causa é apresentar provas contrárias à teoria deste sr. e explicar de vez o que aconteceu!

Enquanto isso não for feito srs como o buiça só têm é de calar a boquinha! Você é eng. civil ou físico?
E então se quer provar alguma coisa apresente factos concretos (ou estudos sobre o assunto) e não passe a vida com tangas!

As filiações religiosas do sr. jones não chegam para provar que as torres ruiram e como ruiram por obra do espírito santo e sem intrevenção humana (querem dar a entender no entanto que o sr. jones não é credivel)! Especialmente a torre 7!

dragão disse...

Estimado Ho,

Só por essa azia toda, já valeu a pena o postal. E faço ideia a lufa-lufa pelo google.

Anónimo disse...

Já agora, e se falássemos do sr. silverstein?

ho disse...

Qual azia? Quis apenas enquadrar a adjectivação de conceituado. Fico contente por ter valido a pena e não existir discórdia sobre o assunto.

Frequentei algumas aulas de robótica e mecatrónica do prof. Steven Jones em Vanderbilt em finais dos anos 70. Foi aí que o conheci. Não fiz nenhuma pesquisa no google. As filiações religiosas só as vim a conhecer na altura da polémica da cold fusion. Não percebo a relevância, nem nunca me referia a elas. E não faço ideia de quem seja o Buíça ou o Silverstein.

dragão disse...

Pelos vistos, têm relevância porque foi o caro senhor a trazê-las para aqui.De facto,as divagações semânticas, religiosas, enfim, colaterais, foram todas suas. Aliás, outras não trouxe. Poderia, o caro amigo, com os seus vastos conhecimentos sobre o assunto, ter aproveitado para nos dilucidar a todos sobre o cerne da matéria (o tal PDF expositivo), mas, seduzido quiçá pela facilidade, preferiu devastar-me.
Cheguei até a temer que o tal Jones fosse um lunático sem quaisquer habilitações. Mas, pelos vistos, é mesmo professor e chegou a dar-lhe aulas. Do mal, o menos.

PS: Seria mais interessante falar-nos de eventuais incorrecções que detecte nas diversas experiências e conjecturas apresentadas pelo prof Jones no documento referido.
Fora isso, a vida privada e outras desventuras da criatura, não vêm agora muito ao caso.