quinta-feira, fevereiro 16, 2017

A Mira-esquerda pornomarxista




"O Óbito Marxista revisitado".

Um artigo interessante, com algumas teses indespiciendas.

Sobre uma delas  - a de que a actual esquerda é pós-marxista, aponto-lhe um anexo escancarado: apenas uma parte dela; já que a restante, que geralmente se traveste de "contra-esquerda" ululante, é tão ou mais marxista que a original. Aliás, esta "mira-esquerda" de vão de escada, copiou todos os tiques ruidosos (propagandalheiros) do objecto obsessivo do seu voyeurismo perverso.  Só que duma forma, naturalmente, invertida. De tal modo que, para o observador imparcial, o fenómeno nem semelha confronto, mas apenas onanismo maníaco. Tanto espalhafato fariseu só pode significar uma coisa: os mira-esquerdas não combatem a esquerda: excitam-se e masturbam-se com ela. Incapazes de decifrar a ideologia, ficam-se pela pornografia. E  pelas fantasias húmidas, geralmente S&M,  que com ela esgalham.

PS: Aproveito para relembrar, parafraseando-me, o "Método do Cuco":
« Primeiro, o marxismo incubou a postura no ninho do cristianismo; agora a "neo-direita" choca no ninho do marxismo.»

domingo, fevereiro 12, 2017

Pois...


sexta-feira, fevereiro 10, 2017

Feed their Frankenstein

«The U.S. government’s multi-billion-dollar effort to counter narcotics in Afghanistan is a humiliating failure that’s resulted in a huge increase in poppy cultivation and opium production. Despite the free-flow of American tax dollars to combat the crisis, opium production rose 43% in the Islamic nation, to an estimated 4,800 tons, and approximately 201,000 hectares of land are under poppy cultivation, representing a 10% increase in one year alone.»

Existem as notícias falsas (fake news, em dialecto bárbaro, ou barbaranhol)  e existem, por outro lado, as notícias invertidas (ou meramente equívocas), como é o caso em epígrafe. Nele se enuncia, com alguma angústia, que o investimento de vários biliões de dólares por parte do Império Americórnio (ou Impropério Global) foi um clamoroso falhanço. Não foi. Bem pelo contrário, foi um mui consequente êxito. Seria um desastre se eles tivessem, de facto, investido no combate. Mas já todos sabemos como funciona a semântica da propaganga improperial: "Combate", na retórica, significa, na realidade, o seu contrário, ou seja, apoio, catalisação, patrocínio. Por conseguinte, tratou-se dum formidável triunfo. A produção da preciosa mercadoria aumentou em 43%; e a área cultivada cresceu em cerca de 10%. Presume-se que, assim, no geral, houve igualmente um aumento galopante da produtividade laboral (ao qual a introdução de métodos mecanizados e maquinaria moderna não deve ser alheia). Este enorme aumento a montante (na produção) causará seguramente um exorbitante acréscimo nos lucros a jusante (na distribuição e retalho), que será, ainda assim, sempre escasso. Pois as despesas da CIA com guerras, guerrinhas e guerrilhas perpétuas, embrulhadas em revoluções e revolucinhas caleidoscópicas, constituem um sorvedouro insaciável de dinheiro. Sorvedouro, que digo eu, um autêntico maëlstrom!...

O combate ao narcotráfico é exactamente igual ao combate ao terrorismo. Aliás, os lucros do primeiro servem para cobrir as despesas do segundo. Neste momento, o ISIS, segundo certos rumores, disponibiliza bolsas de 1000 USD/mensais a todo o voluntário-estudante disposto a ingressar nas vagas de "refugiados-migrantes" em digressão/estágio europeu.

E tudo isto já nem é segredo nenhum, ou sequer teoria da conspiração. É apenas o mundo a (dis)funcionar.

terça-feira, fevereiro 07, 2017

Histeria premeditada. E crónica.





«President Trump had paid a hefty advance to the Jews. He did (almost) all they wanted for their Jewish state: he promised to move the US embassy to the occupied Jerusalem thus legalising their annexation of the holy city; he condoned their illegal settlements, he gave them starred positions in his administration; he told the Palestinians to drop their case in the ICC or else, he even threatened Iran with war. All that in vain. Jewish organisations and Jewish media attack Trump without slightest hesitation and consideration. His first step in curbing the soft invasion wave had been met with uniform Jewish vehemence.

He was called a new Hitler and accused of hatred of Muslims: what else could cause the President to arrest, even for a few months, the brave new migration wave from seven Middle Eastern states? Today he singles out Muslims, tomorrow he will single out Jews, said Jewish newspapers. Migration is the lifeblood of America, and the Muslim refugees are welcome to bring more diversity to the US.

Massive demonstrations, generously paid for by this notable Jewish philanthropist Mr George Soros, shook the States, while judges promptly banned the banning order. They insisted the orders are anti-Muslim, and therefore they are anti-constitutional. Somehow the constitution, they said, promises full equality of immigrants and does not allow to discriminate between a Muslim and a Christian. This sounds an unlikely interpretation of the US Constitution. The US, and every other state, normally discriminates, or using a less loaded word, selects its potential citizens. The choice of seven states hasn’t been made by Donald Trump but by his saintly predecessor: President Barack Obama, this great friend of Muslims, made the choice personally some years earlier.

So Trump had made a most moderate and modest step in the direction of blocking immigration by picking states already selected by the Democratic President. One could reasonably claim that people of the seven states have a very good reason to hate America, and the reasons were supplied by previous US Presidents.

Libya, the most prosperous North African state until recently, had been ruined by President Obama: NATO invasion had brought Libya down; instead of stopping migration wave Libya had been turned into a jumping board for the Africans on their way North.

Syria is another Obama’s victim: by his insistence that ‘Assad must go’, by massive transfer of weaponry, money and equipment (remember white Toyota pickups?) to the Islamic extremists, he ruined this country.

Iraq has been ruined by President Bush Jr: he invaded the most advanced Sunni state, broke it to pieces and gave the centre of the country to the Isis.

Somalia has been ruined by President Bush Sr: he invaded this unfortunate country in the early nineties, when the USSR collapse allowed him to do so under the UN flag. Since then Somalia has become the supplier of choice of migrants and refugees for Sweden (there they formed the biggest community in Malmo and elsewhere), the US is also keen on getting them.

Yemen has been destroyed by Obama with Mme Clinton playing an important role: she facilitated delivery of weapons to Saudi Arabia in real time as they bombed Yemenis.

Sudan was bombed by President Clinton; afterwards this country had been dismembered and separate South Sudan had been created. Both halves became dysfunctional.

Iran is the odd one in the Magnificent Seven. It has not been invaded, has not been bombed, just threatened with invasion and bombardment for many years since President Carter. This country has no terrorists, it did not fail, its citizens are not running seeking for asylum. It was placed on the list by President Obama, who planned to bomb it, but never got to do it.

While Bush, Clinton and Obama bombed and invaded these countries, the Democratic humanitarians including their Jewish leaders just applauded and asked for more bombs. But they became appalled when Trump promised: no more regime change, end of “invade the world/invite the world” mode. Wikileaks put it well: bomb the Muslims, and you are fine; ban the Muslims, and you are the enemy.

Apparently, the people who instigated the Middle Eastern wars wanted to create a wave of refugees into Europe and North America in order to bring more colour and diversity to these poor monochrome lands. Welfare state, national cohesion, local labour and traditions will disappear, and these countries will undergo a process of homogenisation. Never again the natives will be able to single out Jews, for there will be no natives, just so many persons from all over the world, celebrating Kumbaya. The Jews will be able to get and keep their privileged positions in Europe as they do in the US. They won’t be alone: by their success, they will establish a pattern to copycat for whoever wants to succeed in the new world, and masses of imitation-Jews will support the policies of real Jews. Still, Jewish insistence on the Syrian refugees’ acceptance and on Muslim immigration in general is a strange and baffling phenomenon. Hypocrisy is too mild a word to describe that. We may exclude compassion as a cause for it. There are many thousands of natives of Haifa in Israel who suffer in Syria and dream to come back to their towns and villages, but the state of Israel does not allow these Syrian refugees to return for one crime: they aren’t Jews. Israel accepts Jews only; and American Jews do not object to it; they do not compare Israeli leaders with Hitler or Trump. Israel had build a wall on its border with Sinai, and this wall stopped the black wave of African migrants. American Jews did not shout “No wall, no ban” in front of Israeli Embassy. Mystery, eh?»

Foi um copy-paste desenfreado porque o artigo merece. Uma síntese eloquente do rilhafoles instalado.

quinta-feira, fevereiro 02, 2017



Há mais de um mês atrás, alinhavava eu o postal que se iniciava assim:

«Schumer Says Trump “Dumb” To Cross Intelligence Community — Payback Likely»


Em primeiro lugar, investiguemos quem é este Chuk Schumer, senador dumucrático (não é lapso, é mesmo assim que deve ser grafado)...

Sobre o referido cromo, informa-nos a Wikicoisa tratar-se do  resultado do cruzamento duma doméstica com um exterminador ao domicílio . De como um tão improvável espermatozóide acabou a espadanar em Harvard e, desse trampolim inefável, se esguichou aos cumes da pulhítica americórnia, uma palavrinha apenas: jewish. O que, de resto, desde logo pressenti no apelido, mesmo antes de confirmar na Wiki. Quanto ao diagnóstico do proboscídeo, logo acolchoado de prognóstico sombrio, parece que são influências da costela paterna (o tal mata-carochas de Brooklin). "Terminating Trump", tudo indica, estará na ordem do dia, ou na agenda da noite (conforme preferirem), duma certa franja cratopata lá do sítio. Se a coisa vai a pedal de impeachment (afinal, é a mesma gente que processou o Brasil ainda este ano ou o próprio Nixon aqui há uns decénios atrás) ou a força de gatilho, o futuro dirá. Para já, vão cavilando e confeccionando no sentido do primeiro. Depois, estou em crer, caso o refugado não resulte, entram em modos mais extremos.

....

Ora, acontece que este Schumer não abranda no seu frenesim infeccioso. A sua mais recente aparição é toda ela um portento. Nem mais nem menos que o crocodilo lacrimejante por alma e tripa dos "muçulmanos interditados"...
«Chuck Schumer Cries During Speech Against Trump Immigration Order (Full Speech) | ABC News»

Há imagens e, mais ainda, figuras que dispensam mil comentários.

quarta-feira, fevereiro 01, 2017

A Indústria dos Refugiados


A Indústria dos refugiados? É um esquema de proxenetismo macabro como outro qualquer. Como o do Holocoiso, por exemplo.  O entrevistado aí abaixo explica. Os otários, digo, os contribuintes (e então nos States, como eles são numerosos e adestrados!) subsidiam.


sábado, janeiro 28, 2017

PDEC - Processo de Divinização em Curso

«“@WhiteHouse statement on #HolocaustMemorialDay, misses that it was six million Jews who perished, not just ‘innocent people,’” Greenblatt tweeted. “Puzzling and troubling @WhiteHouse #HolocaustMemorialDay stmt has no mention of Jews. GOP and Dem. presidents have done so in the past.” »

O tal Greenblatt é, não direi em pessoa mas seguramente em cretino, o presidente da ADL (a famigerada Anti-Defamation League). Segundo ele, o Donald cometeu mais um atentado grosseiro à fofice instalada, confundindo (na verdade, difamando) os "Judeus" com "pessoas inocentes". Para quem teima, porcinamente,  em não constatar o óbvio ululante, atestado ao longo duma psicopatia reiterada de séculos, fica mais este apelo desarvorado  à evidência. Registem: A convergência entre os Greenblatt de hoje e o Goebbels de ontem é total: para todos eles 1. os "Judeus" não são "pessoas" e 2. ainda menos, "inocentes". O que o Trump perpetrou, no seu discurso efeméridal, constituiu assim, acima de "lesa-majestade", um crime de "lesa-divindade". É que segundo o Processo de Divinização em Curso, dois imperativos categóricos prevalecem: 1. Um "judeu" não é uma pessoa - está acima das pessoas; 2. Nenhuma pessoa é inocente: todas, intima ou publicamente, odeiam, invejam e urdem conspirações contra os judeus. E mesmo aquelas que os lambuzam, babujam e engraxam a todas as horas, dias e meses serão tudo menos de confiança. Mais ainda que idiotas convenientes, todos eles, são imbecis descartáveis.




quinta-feira, janeiro 19, 2017

Da exogenia antiga à endogenia moderna (rep)

Revisitando, muito a propósito da interessante conversa na caixa de comentários anterior, um postal de Maio de 2012...

«Mas escutai as misérias dos homens; escutai como, no começo, eram eles ignorantes e os tornei cientes e senhores da sua inteligência. Digo isto sem qualquer censura aos humanos, mas só para vos mostrar como nasceram do coração as minhas dádivas. No começo, eles olhavam e não viam, escutavam e não ouviam, passavam a vida alongada e néscia como sombra de fantasias. (...) Viviam em cavernas, nas eternas trevas dos profundos antros, como formigueiros fervilhando. Faziam tudo sem entendimento, até eu lhes ensinar o nascimento e o acaso das estrelas mais difíceis de avistar. Para eles inventei o número, suprema sabedoria, e a arte de juntar as letras, memória de todas as coisas e infatigável mãe das Musas.»
- Ésquilo, "Prometeu Agrilhoado"


Este, quanto a mim,é um dos textos mais espantosos e fascinantes da nossa cultura. Em primeiro lugar, dá-nos conta duma evolução inaugural que coincide com uma progressão efectiva: a mera matéria animal adquire uma característica humana - o cavernícula torna-se homem. Mas repare-se que não é apenas uma questão de um intelecto ou espírito que lhe é concedido - é uma sensibilidade, um entendimento e uma inteligência.  Quer dizer, é  o aparato completo do pensamento que a filosofia, durante quase três milénios, não mais cessará de avaliar e prospectar nos seus limites e realizações, aparato esse, pormenor ainda mais importante, que lhe permite uma autonomia existencial e uma elevação acima da natureza. Isto é, concede-lhe uma emancipação da matéria bruta e uma capacidade de atenuação das leis e voragens da necessidade. Afinal, a dádiva é uma dádiva divina, oriunda directamente do coração de uma forma de ser superior. E não é por acaso que Prometeu, para pagar a elevação do homem se veja ele próprio, por castigo, rebaixado à condição anterior daquele. E cá voltamos nós ao paradoxo: o preço da ascensão do Homem é a queda de um Deus. Episódio que, de certa forma, se repetirá mais tarde: quando também para resgate do Homem decaído, um Deus aceitará o Calvário e o suplício da Cruz.
Entretanto, esta ideia de dávida divina como ignição antropológica também está presente noutra das principais fontes do pensamento medieval. o Génesis. Aí pode ler-se: «então o Senhor Deus formou  o homem do pó da terra e insuflou-lhe pelas narinas o sopro da vida, e o homem transformou-se num ser vivo.»
De novo, a entidade divina intervém sobre a matéria bruta: conforma-a, ordena-a, anima-a. Este animá-la é, em simultâneo, dotá-lo de vida e de espírito (e note-se que no latim spiro significa respirar, como anima significa alma). Para Aristóteles, por exemplo, os animais são dotados de alma - e "animal" denota isso mesmo, algo que respira, que está animado -, mas apenas de uma "alma vegetativa", quer dizer, não possuem intelecto activo, sòmente dispõem de intelecto passivo. E não apenas os animais, alguma gente também (e não, não estou a ser sarcático: em rigor, no De Anima, Aristóteles demonstra isso mesmo: que os homens são [animais] racionais - melhor dizendo, lógicos-, mas nem todos são inteligentes. E é esta diferença fundamental  - e abissal, entre razão e inteligência, bem como respectivos objectos, que até aos dias de hoje todas as alforrecas intelectuas continuam, por paixão e impotência, a não discernir. Até porque a maior ambição da imbecilidade, tanto quanto a proliferação e o império,  consiste na hegemonia).
Bom, mas o que importa registar para o tema desta nossa demanda, é, em ambos os momentos fundantes, o carácter exógeno da especificação humana. Essencialmente, o Homem é obra de algo exterior à estrita matéria e à ordinária operação da natureza. O Homem é, bem distintamente, algo de extraordinário, de prodigioso, tal qual aparece descrito por Sófocles, na Antígona. "Muitos são os prodígios do cosmos, mas o antropos é o mais extraordinário de todos". Máxima que a tradição fundada no Génesis conduzirá a um extremo limite: "Deus disse: Façamos o ser humano à nossa imagem, à nossa semelhança..."
Ora, esta antropovisão reinará na tradição antiga e medieval, com cambiantes variadas, como veremos adiante. Todavia, chegados ao século XIX, o conceito de evolução terá sofrido uma revolução completa, e em vez duma antropovisão exógena celebrar-se-á uma antropovisão endógena: dum ser humano como mero resultado das operações naturais, súbdito não já de regras da ordem inteligível, mas de singulares leis da estrita função mecânica e, inerentemente, material. Ou seja, na origem, do homem, assume-se que nada houve que o elevasse ou enobrecesse acima dos outros seres vivos. Por conseguinte, à falta dum princípio superior, adoptam-se, por meios capciosos, princípios reles em cujo nome se autoriza a engendração de fins soberbos e sumptuosos: através da ciência (ela agora o novo - e usurpador imaginem de quem - prodígio dos prodígios) pode fabricar-se geneticamente uma raça pura de semi-deuses (arianos, judeus, anglosandeus, enfim, o que se queira e a hegemonia da macacada dominante do momento permita e patrocine). O extraordinário, doravante, não está mais no princípio: está no exclusivo meio e promete os mais prodigiosos fins. Só que a palavra que no grego traduz prodigioso - deynos - também significa "terrível", "funesto", "perigoso", "mau". E, como o século XX demonstrou à exaustão e o século XXI parece ainda ir provar com mais exuberância, nada de extraordinário ou digno de admiração prevaleceu.

...
PS: Dinossauro é uma palavra e um conceito cada vez mais sugestivo. Também ele era um "deynos" -um deynos-saurio (um sáurio terrível, assombroso)... À semelhança de Hamlet, deviamos meditar-lhe sobre as ossadas.

sexta-feira, janeiro 13, 2017

Papagangues e feedbacks



Volto aqui a recordar o caso Litvinenko: Num tempo em que a terra está convertida à emulação daquele trecho do Hades onde se exercitam, perpetuamente, as Danaides, convém cultivar contra-medidas (entenda-se: memória).  Portanto, recapitulem.
A que propósito?
Estão a ver o actual relatório da treta, patrocinado por coprofactores para deleite de escatofágicos, onde se acusa até o Donald de douradas pluviometrias?... E o perito inglês que alugou o nome para credibilizar o excremento... Sim, um tal Cristopher Steel... esse mesmo... a sumidade parda. Então oiçam só um bocadinho do curriculo (e não é sítio da conspiração, acalmem-se as florzinhas; é a bosta do Guardian da conspiracinha):
«he was, sources say, head of MI6’s Russia desk. When the agency was plunged into panic over the poisoning of its agent Alexander Litvinenko in 2006, the then chief, Sir John Scarlett, needed a trusted senior officer to plot a way through the minefield ahead – so he turned to Steele. It was Steele, sources say, who correctly and quickly realised that Litvinenko’s death was a Russian state “hit”

Pescadinhas de rabo na boca... umas das outras. O Litvinenko? Foi o Putin. O Trump? Foi o Putin. É por isso que a Conspiracinha nem a teoria chega: é uma cassete. Coro de papagaios em ruído de feedback. Tão verdadinha, que até rima.

PS: O Steele pôs-se em fuga porque sabe como as coisas funcionam e a peripécia que se segue. No mínimo, aparece suicidado um dia destes. Por quem? Pelo Putin, homessa!...

Wonderful news


«Billionaire George Soros Lost Nearly $1 Billion in Weeks After Trump Election»


Os cometas são assim: suscitam toda a variedade de prodígios. Nem sempre beneméritos e amigos do ambiente, mas neste caso de uma poesia sublime e maviosa. Das notícias mais reconfortantes que li nos últimos anos! Afinal, não é só desgraças e desgraceiras!...