sábado, setembro 16, 2006

Crise ecuménica

Sobre esta crise última, papalo-muçulmanesca, que tanto parece excitar certas alminhas, tenho a depor, sucintamente, o seguinte:
O Santo Padre, claramente, está com o rebanho trocado. Levam mais a sério e dão mais importância ao que ele diz os muçulmanos do que os católicos.

30 comentários:

MP-S disse...

'O Santo Padre, claramente, está com o rebanho trocado.'

ahahahahahah

MP disse...

Pois é, mas quem apanha do outro rebanho, daquele que lhe dá ouvidos, é o rebanho a quem, supostamente, devia pastorear! É caso para dizer: "boquinha santa"...

zazie disse...

ehehhehe

mas aquela de citar o Manuel Paleologo teve pinta. Deve ter-se lembrado do tempo dos Medicis ":O)))

Anónimo disse...

Lol!! Nem mais!

A VOZ disse...

O assunto é sério, mas a maneira como o coloca é 'divina'!

Anónimo disse...

Bem visto !

haja pachorra disse...

Não deve haver académico que, lá no fundo, não tenha um especial fraquinho pelo Papa Bento XVI. Afinal, ele faz parte da corporação e, mais, foi durante muito tempo um motivo de orgulho para a corporação. Fala o dialecto da seita, escreve no dialecto da seita e, se não pensa como a seita, pensa segundo as regras da seita. Só que é Papa e que, sendo Papa, de quando em quando, esquece o mundo cá de fora e reverte ao seu velho papel de universitário. O "escândalo" de Ratisbona não passa disto. Bento XVI, querendo explicar a irracionalidade da conversão pela violência, citou o imperador Manuel II Paleólogo. Num diálogo com um persa, Paleólogo dissera: "Mostra-me então o que Maomé trouxe de novo. Não encontrarás senão coisas demoníacas e desumanas, tal como o mandamento de defender pela espada a fé que ele pregava".
O mais preliminar assistente de Literatura, História, Filosofia ou Teologia percebe logo três coisas. Primeira, que o Papa não dá o imperador Paleólogo como um intérprete autorizado da religião muçulmana, mas como um como um opositor inteligente à perseguição religiosa. Segunda, que o Papa não esqueceu as perseguições da sua própria Igreja e que usou o imperador por conveniência ilustrativa da desordem moderna. E, terceiro, como o título e o resto da conferência comprovam, que Ratzinger não estava interessado em "atacar" ninguém, estava interessado na dualidade da fé e da razão. Infelizmente, a "rua" islâmica não é o público letrado da Universidade de Ratisbona e começou rapidamente a usual campanha de ódio contra o Bento XVI, que de toda a evidência o deixou estupefacto.
O papa já lamentou o equívoco, mas não pediu desculpa. Não podia pedir. Nem pelo incidente, fabricado pelo fanatismo e a ignorância, nem pelo teor geral da conferência de Ratisbona. Ratzinger insistiu que a fé não é separável da razão e que agir irracionalmente "contraria" a natureza de Deus. Não vale a pena entrar nas complexidades do assunto. Basta lembrar que desde o princípio (desde Orígenes, por exemplo) se construiu sobre a fé cristão um dos mais sublimes monumentos à razão humana e que o Ocidente, apesar da "Europa", não existiria sem ele. A fé muçulmana não produziu nada de remotamente comparável e, durante quinze séculos, sustentou uma civilização frustre e parada. A conferência de Ratisbona reafirmou a essência do cristianismo. Se o islão se ofendeu, pior para ele.
Vasco Pulido Valente

zazie disse...

este texto do VPV é fraco.

A questão não é o que o Papa disse numa universidade. Claro que pode dizer e nada disso está em causa.

O que está em causa e o Papa se apercebeu a tempo é que o mundo anda demasiado crispado por motivos políticos e não por motivos religiosos.

Por isso, ao contrário do que o VPV diz, acho que fez muito bem em "pedir desculpa".

Antes de ser um intelectual é uma figura que tem por missão promover a paz. Assim fossem sensatos os homens de Estado.

A conclusão do VPV e bacoca. Que é que ele queria? mais umas bombas em cima dos tipos?

Porque são fundamentalistas? e porque motivo é que só agora é que estas coisas acontecem?

Se calhar porque lhes andam a invadir as terras e chacinar os seus.
Se por acaso asism fizessem com os ocidentais queria ver quem era "racional".

Esta ideia do "pior para ele" para o islão é uma imbecilidade. Pior para todos nós. Porque para o islão já lhes basta o exemplo de superioridade civilizacional que lhes deram em Abu Grahibe e lhes estão a dar em Guantanamo.

Já para não falar nos milhares de mortos na boa missão humanitária de exportação de democracia.

dragão disse...

A "rua Islâmica" é tão manipulável quanto a "alameda Ocidental". A diferença é que, por via de níveis de testosterona ainda não tão "processados",somado a uma democrafia que galopa ao ritmo da frustração, é mais explosiva. Nada disto invalida que, em matéria de análise da política externa, o VPV ande ao nível do Luís Delgado. Até a verve se ressente do frete e, sobretudo, da típica saloiice de deslumbradinho de Oxford e do anglo-club.

zazie disse...

Podes crer, Dragão. E o mais idiota é que se julgam mais que os outros.

O VPV ultimamente tem dito disparates. Sempre que me lembro daquela das katiuskas dos tipos do hezbollah qualquer dia estarem a chegar a Londres...
eheheh

Mas depois deve cair na real e lá faz uma crónica a reparar os disparates que disse na anterior. Foi o que aconteceu na sexta. No sábado voltou a meter água.

Uma das coisas que mais me encanita naquilo a que chamo "os homens de letras" (não é por serem letrados mas por pensarem de forma poética e irracional) é a mania de mandarem aquelas boutades óbvias com ar de grandes descobertas.

Neste caso é a da "sociedade perdida" do "funfamentalismo" so what? o que propões ele face a uma socieade perdida? e de onde aparece este fundamentalismo agora? Até parece que é fenómeno de ETs. Caíram do céu, uns tipos que não estavam neste planeta e nós somos as vítimas que nem os conhecemos de lado nenhum nem nunca os provocámos...

Anónimo disse...

Nos tempos conturbados de hoje, o mínimo que o Santo Padre poderia ter feito era o bom senso de ter ficado calado sobre o assunto Maomé.

Ou Bento XVI está querendo o retorno dos bons tempos das Cruzadas para reerguer a decadente Igreja Católica?

kommando

ab disse...

"acho que fez muito bem em "pedir desculpa"."

Não 'pediu desculpa' e nem tem que o fazer.
Era só o que faltava!!
Da mesma forma, considero ridículos estes constantes pedidos de desculpa dos católicos e do ocidente a quem nunca pediu desculpa por coisa alguma.
E 'eles' têm tanto ou mais a pedir desculpa que os católicos.
As vezes que 'eles' levantaram a 'espada' ao longo da História contra nós não ficam a nada atrás em relação aquilo de que 'eles' (os santinhos) nos acusam.

O Pontifex Maximus não tem que pedir desculpa a quem é tão idiota que nem percebeu que Ratzinger estava a citar palavras alheias.

'é uma figura que tem por missão promover a paz.'

Poupe-me.

'e porque motivo é que só agora é que estas coisas acontecem?'

Os seus conhecimentos de História não são lá grande coisa.
'Estas coisas' aconteceram durante séculos entre 'nós' e 'eles' e de forma proporcionalmente bem mais intensa que hoje em dia.
As guerras entre os dois pólos civilizacionais são tantas que se tornaria fastidioso estar a enumera todas.

Saiba a Zazie que não falta 'lá' quem queira reconquistar o território perdido na Península.
Se um dia lhe enfiassem um 'abat-jour' na cabeça talvez não achasse muita piada.
A Zazie em Portigal tem sorte, que há poucos...
Agora nas Franças, nas Inglaterras, nas Alemanhas, nas Holandas, etc, é que começa a situação a ser insuportável, fruto de um política de emigração que durante décadas deixou entrar essa horda pestífera nas nossas terras. Quem conhece esses países e está mínimamente atento ao que se vai passando sabe a arrogãncia com que essa gente (que nos quer conquistar pelo 'ventre materno, como disse o argelino nos anos 60) se comporta na Europa. Emigram para aqui e ainda têm a lata de nos querer impor os seus costumes, chegando já ao ponto, em alguns países, de quererem proibir mealheiros em forma de porco, de quererm demolir igrejas, de quererem regular o vestuárias das mulheres EUROPEIAS, de quererm interditar o álcool,...enfim, a lista é extensa e todos os dias lhes cresce a impávia.
Até um dia.
Os Povos da Europa, felizmente, estão a começar a despertar para o pesadelo horrendo que é o multiculturalismo.
Finalmente, é só esperar que 'eles' se 'estiquem' em demasia e que circunstâncias inevitáveis se conjuguem para os por daqui para fora.
O sr.Le Pen e o sr.Haider não andam equivocados não senhor.
Aquilo que não é compatível com a nossa maneira de estar no mundo não deve estar aqui.


Da mesma forma, estou convencido que os exércitos ocidentais não andam lá a fazer nada.
Deveriam, pura e simplesmente, retirar-se.
QUe vivam como lhes aprouver, que façam o que lhes apetecer...na terra deles (não na nossa).
É assim que deve ser, cada 'macaco' no seu 'galho'. Mai nada.
Se o resto da malta se dá bem ou se dá mal deve passar a ser problema deles, únicamente deles.
É irritante esta mania da 'curvatura' que alguns ocidentais têm...como se a culpa fosse sempre nossa...e como se tivéssemos de andar seeeeeeempre a pedir desculpas a tudo e a todos pelas cruzadas ou pela escravatura ou lá de que caralho mais se lembrarem....
ERA SÓ O QUE FALTAVA!

A solução começa com uma Europa que adopte uma política de emigração de 'porta-fechada'.

'o exemplo de superioridade civilizacional que lhes deram em Abu Grahibe e lhes estão a dar em Guantanamo.'

Mas não havia der ser?!
É claro!
Coitadinhos!!!!
Os 'santinhos' e as vítimas, está claro, são eles.
Se tivesse estado na Igreja de Santa Sofia aquando da queda de Constantinopla talvez fizesse uma revisão do que pensa da 'religião da paz' (e das pombinhas e voar, e blá, blá, blá.....)

É curioso que os panegiristas desculpabilizadores dos 'coitadinhos-oprimidos-umas-vítimas' nunca referem as perseguições de que os cristãos são vítimas em alguns desses países.
Nunca referem que essa gente vem para cá e, ao invés de respeitar os países anfitriões, desatam numa insolência crescentemente arrogante que os escravos do políticamente correcto se apressam a sufragar.
Eles podem tudo, podem exigir tudo, tudo os ofende, tudo lhes é devido e mais não sei o que mais.
Exigem (ao abrigo do pavor que amordaça o europeu, que é o pavor de lhe chamarem racista e/ou xenófobo) , exigem, exigem, exigem, exigem.
CHEEEEEEGAAAAAA!

Se não gostam de nós têm boa solução: voltar para a terra deles.
(o mesmo deveriam fazer imediatamente os ocidentais que por lá andam)

'Se calhar porque lhes andam a invadir as terras e chacinar os seus.'

Quem está a ser invadida é a Europa, com milhões de muçulmanos à solta pelas ruas do continente.
É a chamada 'iminvasão' que, estou certo, a Zazie deve olhar com bons olhos e com humanitaríssima consecendência, i.e., com o espírito suicidário que tolda ainda algum ocidente, fruto de psicologias de pacotilha e de ideários pacifistas e outristas, logo, completamente idiotas.

'Se o islão se ofendeu, pior para ele.'

Nem mais.

Acresce ainda que eu, como portugu~es, europeu e ocidental não tenho que pedir desculpa a ninguém por nada e fico muito chateado quando um marmanjo qualquer, seja lá quem for, o faz em meu nome.

Chega desta merda.

Quem gosta deles que vá viver para o meio deles.
O anti-americanismo destrabelhadamente primário tem destas coisas. É o vale tudo.

Se gostam da dihimitude pois sim.
Mas não obriguem os outros a seguir-vos.

'nem nunca os provocámos...'

MAs não havia de ser?!??!?!
É claro que a culpa, como sempre, é nossa!!
Claro, claro....
Os outros são sempre uns santos.
O simples facto de não ser ocidenta é, hoje em dia, um passaporte para, no mínimo, a canonização.
E, quando não é, passa a ser, não é Dona Zazie)

'era o bom senso de ter ficado calado'

Claro, claro!
Caladinho e, já agora, a tremer de medo e debaixo da cama só por causa de 'suas senhorias'.
Tenha vergonha.

zazie disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
zazie disse...

isso é mais um exemplo do exagero dos nossos "becos árabes". Ele não fez um comício na praça do Vaticano. Falou numa universidade e o que disse, em termos teóricos, é uma grande verdade.

Nada de exageros. Uma coisa foi uma comunicação perfeitamente válida e livre. E outra o eco dos media e manipulação dos talibãs da zona.
Nada teve grande importância e é de louvar o bom senso do Papa. A diplomacia é uma arma muito importante. Só é pena que os políticos não ponham mais os olhos neste exemplo.

ab disse...

é de notar que exigem e não dão em troca.
há países 'desses' em que nem uma capelinha se pode construir (e ser cristão é um risco), quanto mais um igreja.
mas aqui eles exigem, exigem exigem, e ainda há quem lhes apare os peões.

que lata

zazie disse...

não sei quem é este ab mas pelo tom e pelo que traz para aqui à baila até me parece que é alguém conhecido com o barrete enfiado até às orelhas.

Passo. Não ando com pachorra para desconversas, muito menos num dos blogues que mais admiro e que nos concedeu agora estas jenelinhas de cometários.

Se tem alguma coisa para me dizer, faça o favor de ir ao Cocanha que eu lá trato-lhe da saúde.
Pela segunda vez. Parece que não chegou a dose...

ab disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
ab disse...

Está boa esta! :)
Só mesmo para rir.
Mas qual 'dose' qual carapuça.
Não seja tão convencida, fica-lhe mal.

zazie disse...

ok, já vi que me enganei. Está na cara que é o Nelson Buiça

":O)))))

dragão disse...

Não basta mudar o "nic"; convém também mudar a cassete. :O)

ab disse...

'Está na cara que é o Nelson Buiça'

Porra!!
Cruzes canhoto!
Com o de 'nick' Buiça é que não!!
Esse tal Buiça é demasiado moderado e ponderado para meu gosto e não me parece que regule bem da mona.

Fico-me com esta, para reflexão:

'The crisis of the West is a collapsing culture and vanishing peoples, as a Third World that grows by 100 million people, the equivalent of a new Mexico, every 18 months, mounts the greatest invasion in history of the world. If we do not shake off our paralysis, the West comes to an end.'
-- State of Emergency, Pat Buchanan

We MUST shake off our paralysis!

ab disse...

e rogo à Zazie e ao Dragão que não me voltem a insultar, associando-me de alguma forma a esse sujeito.

dragão disse...

Mas isso,segundo o credo liberal,é óptimo: quanto mais oferta de mão de obra, mais o salário baixa e mais competitiva se torna a economia.
Como é que alguém pode falar em invasões na aldeia global? Somos todos aldeões, ora essa. Quanto mais intercâmbio, quanto mais interacção, transacção,comércio livre, alfândega aberta, já agora o bar também, pois quanto mais isso tudo, melhor!
Este é o Melhor dos Mundos. Depois que o descobri, não quero outra coisa. :O))

dragão disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
zazie disse...

ehehehe

faz lembrar aquelas histórias do bolinha quando se armava em detective e metia um prato na cabeça para se disfarçar e toda a gente dizia: vem ali o bolinha com um prato na cabeça.

":O))))

A.H. disse...

Queiram desculpar mas o a.b. tem razão!
Os árabes têm o direito a viver como entenderem,... lá na terra deles! E lá devem ser deixados em paz! Se se tornam numa ameaça então sim temos de nos defender!

Os ataques de que têm sido alvo por parte de (i)mundialistas a soldo da gente "eleita" e do negócio por parte do "ocidente", associados à tolerância perante a maior invasão da história, só provam que a dita pseudo-cultura (pois os gregos eram bem diferentes destes vermes igualitários) e "democracia" ocidentais não passam de puro lixo!
E como lixo será varrido da face da terra!: Ou por consumação da invasão total ou por uma reacção tardia que incluirá sem margem para dúvidas a brutalidade ao mais alto "nível" (íncluindo o nuclear)!

Ora o a.b. dificilmente poderia ser esse tal de buiça (que realmente não bate mesmo bem da bola!), pois o buiça é neo-cu e portanto não gosta do Pat Buchanan!
Mas acha-se muito radical, o que é estranho! (nesse aspecto poderia ser o buiça a armar-se em parvo!)

Enquanto andarem por ai todo o tipo de idiotas a "dar a outra façe" só nos vamos é afundar!
Mas um dia ...!

Anónimo disse...

Eu não entendo... Quem começou por atacar a Palestina cristã? Não foram os islâmicos? Quem é que, na sua expansão começou a guerra contra o Cristianismo e o Judaísmo? As cruzadas, zazie, foram operações militares de RECONQUISTA (aprenda lá de quem eram os territórios em questão antes da primeira conquista muçulmana). E depois... quem é que invadiu a Europa sem que a cristandade tivesse alguma vez invadido a Arábia? Pois é... peçamos-lhe desculpa, coitados. Aproveite e vá vestindo a burca.

zazie disse...

é o que eu digo... esta malta em termos históricos oscila entre os jornais diários e a Idade Média. Pelo meio não existiu mais nada. E recuar 5 ou 6 anos é demasiado longo para se fazer comparações...

É só hiatos, meus. Hiatos bué de convenientes, diga-se

";O))))

ab disse...

'bué'?!?

BUÉ?!?!?

zazie disse...

olá bolinha

":O))))

o bué foi para chatear