sexta-feira, setembro 29, 2006

Para acabar de vez com a Ciência

«Temos Albert Einstein na conta de um dos maiores poetas de todos os tempos».
- Boris Vian

«A ciência é sobretudo uma tomada de consciência cada vez nais completa do que pode e deve ser descoberto.»
- Boris Vian

«Há duas maneiras de enrabar moscas: com ou sem o seu consentimento.»
- Boris Vian

«Há pessoas que acreditam que tudo o que se diz com um ar sério é razoável.»
- Lichtenberg

«Um mestre-escola ou um professor não pode ensinar indivíduos; o que faz é ensinar espécies.»
- Liechtenberg

«O primeiro americano a descobrir Colombo fez uma descoberta deplorável.»
- Lichtenberg

«A loucura é algo raro em indivíduos – mas em grupos, partidos, povos e épocas é a norma. »
- Nietzsche

«Quanto menos inteligente um homem é, menos misteriosa lhe parece a existência. .»
- Arthur Schopenhauer

«Avalia-se a inteligência de um indivíduo pela quantidade de incertezas que ele é capaz de suportar. »
- Immanuel Kant

E agora, citando o Lança-chamas cá da casa:

«A Ciência e a Religião são duas formas de explicar o mundo: A religião simplifica, a ciência complica. Ambas efabulam.»

«Rezou-se a Santa Bárbara até ao dia em que inventaram o pára-raios; desde então, com fé ainda mais radical, passou a rezar-se ao pára-raios»

«Sendo dois sistemas de crença que variam no grau de verosimilhança e elaboração, a Ciência e a Religião competem pelo mesmo mercado: a opinião pública. Só que enquanto os velhos monoteísmos medievais a tiranizavam à força de chantagens e rudes ameaças (a excomunhão, as penas do inferno, etc), a nova monociência suborna-a através dum dilúvio ininterrupto de bugigangas, panóplias e tecnomilagres. É toda uma Fé 3G.»

«Ciência - a cozinha e copa no castelo da belofilia. O braço armado da propaganda.»

«A ciência, enquanto sabedoria, é muito pobre; enquanto literatura, é miserável.»

«O cidadão comum vai às putas; o cidadão todo-poderoso vai aos cientistas.»

30 comentários:

zazie disse...

Eu nunca consigo alinhar nas comparações entre Filosofia e Ciência. Fazem sentido quanto tu lhes apontas o “tema” – o Mundo.

Mas não fazem sentido acerca de mais nada. Um Filósofo pode ter um pensamento que abarque essa visão do mundo, e trabalha nela e "explica-o" com as suas ferramentas.

Um cientista se for por aí deixa de o ser e acaba em epistemólogo. Geralmente de fraca qualidade.

Essa ideia de Ciência que vem aqui apontada já era. Era a ciência antes do átomo e do macrocosmos.

Hoje é "ficção" por isso mesmo. Mas ficção de outra ordem, nem sequer consegue “abarcar qualquer plano”. Navega dentro de si mesma.

Quanto a competir pelo mercado isso é para a "ciência tecnológica. A teórica está de tal modo fora do mercado que o mais que ambiciona é ainda poder ser feita e ter alguns patrocínios.

Se visses a filtragem de um CNRS topavas muitas outras coisas.

O que hoje funciona é a "Ciência" de barracão nas traseiras da "empresa", do banco ou das grandes indústrias farmacêuticas. É isto, para falar com todas as letras.

zazie disse...

Concordo com o aforisma da ciência enquanto sabedoria ser muito pobre. Enquanto literatura não é. Ponto final. Está fora dela mas necessita da mesma clareza que a boa literatura.

A Ciência não complica- só funciona quando consegue simplificar o complexo e nunca pode fazê-lo por "complicações".

E a Ciência nada tem a ver com a opinião pública. Assim como a opinião pública a desconhece.

zazie disse...

Nenhum cidadão vai aos cientistas. Os cientistas são os poucos seres desconhecidos fora do seu habitat.

Os cientistas são menos conhecidos que os Papuas que os tigres da Malásia. Etão mais para a quantidade de outros animaizinhos que ainda estão por descobrir e saber o que são.

Os cientistas não são menos reconhecíveis na rua que o sem-abrigo do bairro. Os cientistas, de vez em quando, lá fornecem um dos deles para escrever uns livros e aparecer na tv e o público ainda ter uma ideia que eles existem.

Sendo que no "eles" só conhecem ou a excepção à Einstein e Hawking ou um Magueijo

zazie disse...

estão e outras gralhas

dragão disse...

Essa tua opinião sobre a ciência, tão convicta, é o quê: opinião especializada?

Estás a falar da "Ciência" ou da tua ficção pessoal de "ciência"?

Existe isso de "Ciência"? Ou existem "ciências"?

Já leste a "Crítica da Razão pura"?... :O)

Se queres saltar à vara, decerto não vais consegui-lo com esse palito. :O))

zazie disse...

Com a Crítica da Razão Pura tenho um episódio de adolescência muito giro que só por seres tu até to conto.

Caiu-me em cima da cabeça quando eu dormia, ia eu aí nos meus 17 aninhos. Foi um vizinho que ma ofereceu em edição francesa. Depois do trauma noturno até a li.

ahahah

O resto posso responder-te que deriva de ter cientistas na família e ter "conhecido", por essa via, alguns geniozinhos no campo estritamente teórico, da Matemática e da Física Quântica.

Está bem assim?

zazie disse...

Esta´certo que existem Ciências mas hoje em dia quando se fala de génio ou de Cientista está-se a pensar num Hawking ou precisamente em ouros idênticos nesse ramo que nada tem a ver com as "Ciências" da Economia ou da Biologia ou da Química ou da Natureza.
Era a isto que me referia.

zazie disse...

Agora retribuo-te a pergunta:

Conheces algum cientista?

dragão disse...

Não respondeste.
A pergunta da "Crítica", como percebeste, era a gozar.
O meu postal não fala em filosofia nem, ainda menos, em confrontos filosofia/ciência.
Fala, isso sim, no paralelismo ciência/religião. A filosofia não é para aqui chamada.

Quanto às perguntas, são simples e ou me forneces respostas simples, ou eu sou obrigado a presumir. :O)

zazie disse...

ahahaha touchée.
Ainda ia no post de ontem.

Li tão mal que troquei a palavra Religião por Filosofia, vê lá tu. E estava a responder-te aos outros comentários do Picasso.

Tens razão em todos os aforismos. ehehe
sou sempre uma apressada. Leio a 300 à hora.

Mas aquele aforismo da Ciência enquanto literatura ser miserável é figura de estilo. Os outros assino por baixo. Enganei-me

zazie disse...

Mas é que tens mesmo toda a razão. Sou uma toina. Como é que li Filosofia na primeira linha e fui por aí adiante...?
ehehehe

Uma das personagens mais patuscas dos nossos tempos é o mago-do-médico de família. E a religião da ciência tem muitos tantos acólitos de rabo para o ar como os das mesquitas

Anónimo disse...

tiro no porta-aviões.



fogo amigo

Anónimo disse...

não me perguntem porquê mas lembrei-me desta que está no post:
«Há duas maneiras de enrabar moscas: com ou sem o seu consentimento.»
- Boris Vian

danos colaterais

dragão disse...

Para responder à tua pergunta:
Conheço. Eu próprio comecei por ser um aprendiz da coisa.

Os aforismos, como tudo na vida,são parciais. Não são exacta e absolutamente razoáveis, não é isso que se pretende, mas cumprem a tarefa de apontar telhados de vidro mais que evidentes.

E esse, parece-se, constitui um problema fulcral: tanto a religião como a ciência (e como, evidentemente, a filosofia) têm imensos telhados de vidro. Telhados esses, sob os quais se abrigam as diversas seitas para se bombardearem uns aos outros.
O mundo, se formos ver bem, é um reflexo pictórico e material desta "batalha metafísica" entre "pensamentos totalitários" (que reclamam para si a totalidade e a exclusividade da verdade).

zazie disse...

Dragão:

Já confessei a minha "ursandade" ao ler mal e ter trocado a palavra Religião por Filosofia. Não me faças sentir pior

ahahahahaha

zazie disse...

O que eu não conheço é cientistas do campo que referi preocupados em defesas de exclusividades de entendimentos do mundo. Só isso. Nesse campo vivem tanto por dentro que quando vêm à tona é mais para aquilo de necessidades básicas do ser humano, do sexo, aos copos e às boas piadas.
Há é os que falam em nome dessas coisas todas (quero dizer, das ciências, não das coisas boas)

Anónimo disse...

"A religião simplifica, a ciência complica."

A beleza da ciência encontra-se precisamente na simplificação do todo em partes, na descoberta do princípio a partir do fim, na certeza de que o que se vai encontrando a cada passo é tão verdade quanto as peças de um puzzle que se encaixam umas nas outras. A religião é um amontoado de tretas inventadas pelo homem. A religião é a fabricação da mentira, a ciência é a descoberta da verdade.

ab disse...

«Rezou-se a Santa Bárbara até ao dia em que inventaram o pára-raios; desde então, com fé ainda mais radical, passou a rezar-se ao pára-raios»

Ahahahahah!
Brilhante!
Ahahahahahha


Ó homem, seja optimista por um segundo e encare a coisa desta forma: pelo menos 'reza-se' a algo ;)

dragão disse...

Caro anonymous, apreciei o seu naco de poesia dedicada à ciência. Quando diz que a "religião é um amontoado de tretas inventadas pelo homem" vai dizer-me que a "ciência" também não é uma amontoado de -chamemos-lhe não-tretas - inventado pelo homem?...
Quanto a esse património exclusivo e total da verdade é em tudo semelhante à religião. Está a ser religioso nessa asserção.

Caro Ab, continuo à espera da sua "carta de apostasia". :O)

Anónimo disse...

Não, não é inventada pelo homem porque se o Dragão estiver com dor de cabeça e tomar uma aspirina, a dor passa-lhe.

dragão disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
dragão disse...

A aspirina, portanto, é uma invenção dos macacos.

E depende da dor, tal qual depende da cabeça. Há indivíduos em que passa e há indivíduos em que não.
Como é que me explica isso? Não são todos a mesma espécie?... :O)

Anónimo disse...

Porque há indivíduos que terão receptores mais sensíveis ao componente da aspirina do que outros. Assim, como algumas pessoas podem dormir depois de tomar café e outras não. Etc.

dragão disse...

Constata, não explica. Aliás, apenas complica. Volta a questão: e porque é que há indivíduos com receptores mais sensíveis que outros? Porque é que não são todos iguais?

zazie disse...

Porque é que não são todos iguais...? mas que pergunta. Então não está mais que visto que uns são mais macacos que outros?

ab disse...

"Porque é que não são todos iguais?"

Esta é fácil.
Chama-se: diversidade biológica.

hajapachorra disse...

Cuidado! A desfazer na dita ainda acabas no conimbrão 'centro de estudos sociais'.

kommando disse...

Uma singela contribuição minha:

Muitas vezes a dúvida é o início da sabedoria.

M. Scott Peck

Warsalorg disse...

A ciência, a religião, a filosofia, psicologia e tudo o que se concebe como a dita "sabedoria" não são incompátiveis entre sí nem entre nada..A inteligência e a cultura são dois gemêos que foram separados à nascença, e há quem pense que eles são unha com carne..Para mim a verdadeira inteligência e "ciência"= sabedoria é o oposto do academismo, ou do convencional..Não deixa de ser irónica a frase desse grande filósofo alemão; que acabou os seus dez ultimos anos de vida em completo delírio e loucura..Pelos vistos ele é um desses casos raros; «A loucura é algo raro em indivíduos – mas em grupos, partidos, povos e épocas é a norma. »
- Nietzsche..
Bom blog este.

tiago f chaves disse...

Voçes não passam de um bando de ignorantes, que acham que a ciência é um brinquedo na mão de qualquer um... para ser um ciÊntista e precisso saper fazer ciência com consiencia...VÃO SI FUDEEEE SEUS PORGOS CAPITALISTAS