domingo, janeiro 06, 2008

Vae victis!

Realmente, parece que o "Público" perdeu a cabeça. No caderno P2 da edição de hoje, a páginas 4, pode ler-se "Os cruéis ocupantes aliados". Uma sinopse sombria acerca do livro "After the Reich", de Giles MacDonogh - a história degradante da ocupação aliada da Alemanha pós-III Reich.

À pergunta "os bons também cometem atrocidades?", a resposta já tem milénios:
Os "bons", quase sempre, são os que mais atrocidades cometem. E por três razões muito simples, óbvias e exaustivamente comprovadas:
1. Porque os bons são sempre os vencedores;
2. Porque cometem atrocidades a pretexto de castigar as atrocidades dos maus, isto é, dos vencidos;
3. Porque, ao contrário dos maus, podem cometer atrocidades com total sossego, talante e impunidade. Não raramente, maquilhando-as cinicamente de justiça e outros chantillis propagandiosos. Ou não fosse a Historiografia actual, e ao fim e ao cabo a de sempre, uma arte de confeitaria.

Por outro lado, qualquer um que cometa atrocidades devidamente fardado, enquanto está a cometê-las, comete-as sistematicamente por bem, em nome dum qualquer progresso ou lógica imperiosa, convencido de que está a ser bom, a mundificar, ou seja, a extirpar males e sujidades do mundo. A possibilidade de cometê-las, às atrocidades necessárias, serve-lhe, normalmente, de bastante justificação. Na medida em que dispõe desse poder e dessa oportunidade, usufrui dessa razão. Acha ele. Continua a achar. Não aprende.

E sobre tão lúgubre e rastejante assunto, fiquemos por aqui. O nosso triste historial, no que concerne à carnificina intra-específica e compulsiva em que pelos séculos nos vamos esmerando, fala por si. Eloquentemente! E ficou bem crismado na célebre frase de Breno, o Gaulês, aos romanos derrotados em Ália: Vae Victis! (Ai dos vencidos!)

E ai dos vencedores que não entendem que amanhã, fatalmente, chegará também a vez deles.

14 comentários:

Mário disse...

Não me parece existir uma grande limpeza histórica no papel dos aliados na IIGM. Os bombardeamentos atómicos americanos sobre o Japão são considerados deploráveis por todos, bem como os bombordeamentos ingleses sobre algumas cidades alemãs que iam muito para além dos alvos militares. E os franceses também não eram flor que se cheire quando obrigaram, depois do fim do conflito, os soldados alemães andarem por cima dos campos minados, além de que ao invés de resistentes eram sobretudo cobardes. Ao invés da ideia de que os aliados eram "bons e tudo o que fizeram foi em auto-defesa", penso que há outra, um pouco mais subtil mas talvez ainda mais perigosa, a de que todo o mal feito foi necessário ou, pelo menos, compreensível à luz dos acontecimentos. Ainda ontém lia sobre a Revolução Francesa algo como o terror ser algo perfeitamente secundário e, mais à frente, infelizmente necessário (as duas afirmações juntas não fazem muito sentido).

O que normalmente passa em claro foi a aliança com esse mal absoluto que era a União Soviética. Churchill disse que se Hitler invadisse o inferno ele ainda iria elogiar o Diabo. A partir daí foi carta branca para a anexação da Europa de Leste e, para conter a frente revolucionária, a Guerra Fria e toda a sua realpolitik. Mas também o estimulo para a guerra cultural, com os partidos comunistas ocidentais a receber instruções directas da PCUS e os sociais-democratas financiamendos da KGB, e do outro lado as CIAs ajustando-se bem à caricatura da reacção, regendo-se pelo lema "inimigo do meu inimigo, meu amigo é", nem que para isso tenha que se apoiar todo o tipo de facínoras e terroristas. A CIA, para além dos maus princípios, junta a incompetência, fazendo relatórios afirmando a pujança económica da URSS, apenas alguns dias antes da sua implosão.

chiça penico disse...

FANTÁSTICO,DRAGÃO,ÉS O MAIOR!A VERDADE É,ÀS VEZES,A COISA MAIS DIFÍCIL DE PROCLAMAR E TU FÀ-LO COMO NINGUEM.ABRAÇO-TE!

Detritus disse...

Excelente texto!

"E ai dos vencedores que não entendem que amanhã, fatalmente, chegará também a vez deles."

Com efeito, depois da Wehrmacht ter ocupado tudo o que era país, de Hitler ter dançado na Torre Eiffel, ai deles, que não compreenderam que a vez deles acabaria por chegar, como chegou!

Anónimo disse...

Bem verdade; uma das vergonhas foi o papel dos britânicos na continuação das experiências médicas ...

foda-se disse...

Ver os «simpatizantes» do Eixo fazerem acusações aos Aliados é como ter um bando de putas a acusar de imoralidade....as putas do bordel vizinho.

E se fossem todos....

Anónimo disse...

"um bando de putas a acusar de imoralidade....as putas do bordel vizinho."

lol

é bem verdade.
tudo o mesmo e do mesmo.
ambos os lados esgrimem hipocrisia a rodos.

E se fossem todos...arrancar batatas, ou lavar escadas, ou o raio que os parta.

Actual, sempre, o que Breno disse.
Sempre assim foi.

"em que pelos séculos nos vamos esmerando"

Ora nem mais.

VML disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
VML disse...

"Ver os «simpatizantes» do Eixo fazerem acusações aos Aliados é como ter um bando de putas a acusar de imoralidade....as putas do bordel vizinho."

Sim.

Mas assim, fariseus como tu deixam de poder atirar pedras à Madalena, só porque é puta, percebes agora?

Portanto tu é que devias ter ido...

acoral disse...

Claro Vml, claro.

Anónimo disse...

a judiaria que se cuide!!!!!!!!.........

o dia dela está mais próximo do que julgam.

birnbaum disse...

Especulemos: o dia 7 de Dezembro de 1941,"algures no Pacífico"foi um dia igual a todos os outros...

Infidel disse...

O vosso querido líder do III Reich (a.q.a. Adolfo) abriu completamente as pernas e devido à grosseira estupidez provocada pelo ego frágil da alemanha-coitadinha-que-perdi-a-I-gerra-mundial, metade da europa foi entregue ao vosso querido tio José (a.q.a. Koba). A sério, os Judeus não têm culpa da imbecilidade alemã.

E agora ainda se queixam dos cerca de 2 milhões de alemães mortos no pós-guerra ? Eles (os sobreviventes alemães), melhor que ninguém sabem que não têm rigorosamente nada que criticar ou queixar. Que encarem isso como uma experiência para o desenvolvimento do carácter...

Infidel disse...

"E ai dos vencedores que não entendem que amanhã, fatalmente, chegará também a vez deles."

Muita bem, carago !

Será que foi este rasgo de puro génio que ficou esquecido pelos III-Reichosos quando eles andaram a fazer turismo por Varsóvia em '44ou nos paises Bálticos ou na Bielorrússia ou na Ucrânia ?

Voçês deviam avisar os vossos camaradas da Irmandade Muçulmana que o treino militar que eles receberam de criminosos de guerra nazis no Egipto não é da melhor qualidade: é que eles (os nacional-socialistas) perderam tudo (mesmo tudo !) o que tinham a perder.
Talvez isto explique algumas coisas...

Terpsichore E. M. disse...

Ai, que confusão - o que é isso de ''os «simpatizantes» do Eixo''?

Obrigada...antecipadamente. Refiro-me aos comentários...

PS - Conto com uma longa e detalhada explicação, se puder ser, caro Lança-Chamas.