terça-feira, setembro 04, 2007

E todavia é agora ou nunca mais




A pergunta "O que fazer com Portugal?", subentende um cluster (como agora é moda dizer-se) de questões correspondentes a outros tantos problemas. Enunciando, emblematicamente, algumas:
- O que fazer com um corpo cheio de vícios?
- O que fazer com um organismo infestado de parasitas, infecções, metásteses e próteses?
- O que fazer duma gente que, enquanto povo, alcançou a esclerose múltipla, com todos os sintomas característicos: amnésia, ataxia, disartria, perda de equilíbrio, formigueiro, astenia, confusão, incontinência, disfunção sexual (impotência sobretudo), depressão crónica, alterações visuais graves, perda de audição?
- O que fazer com um regime em que a facção usurpa a pátria, em que o facciosismo esgota os horizontes mentais e a putrefacção colectiva é o preço a pagar no altar do Novo-Ídolo - o Deus-Ego?

Quando D.Afonso Henriques começou, não tinha país nenhum. Nem rico nem pobre, nem fraco nem forte, nem desenvolvido nem por desenvolver. Usou da vontade do espírito e da força do braço. A nós, sobra-nos e estorva-nos o país, falta-nos essa vontade e essa força. Sobra-nos e exaure-nos a divisão, a descrença e o desencontro; falta-nos quem nos una e nos reconcilie. Porém, uma unanimidade não de opiniões (que apenas estiola e envenena), mas de vontades - de boas vontades. Não é na discussão que temos que ser uníssonos, mas no querer e na força. Ainda a tempestade vai no adro e já cada magote se agarra ao seu salva-vidas ou corre a improvisar sua jangada... Nessa prontidão para a debandada, nessa adesão preste ao salve-se quem puder, em que é que os homens se distinguem dos ratos?
Como combateremos a tempestade se estamos completamente ocupados a combater-nos uns aos outros, de roda de jangadas e salva-vidas? Ai daquele que perde a alma para salvar a pele!... Ai daquele que da tripa, em vez de coração, faz cérebro ditador!...

Sursum corda, marujos!...

6 comentários:

Veliberalino disse...

"(...) Quando D.Afonso Henriques começou, não tinha país nenhum. Nem rico nem pobre, nem fraco nem forte, nem desenvolvido nem por desenvolver.(...)"

Pois é.
D. Afonso Henriques foi o primeiro homem que houve no Mundo (não contando com os estrangeiros, é claro).

Anónimo disse...

Ao que isto já chegou, inclino-me para o nunca mais.
Não podemos esquecer que tudo começou com um puto orfão de pai a dar porrada na mãe para se abarbatar à herança!

Lusgon disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Muito bem lusgon, toma lá um osso e volta para a casota. O dragão quando precisar de ti manda chamar.

Dª Teresa disse...

Eu proponho um último e derradeiro acto, pelo qual o país e os portugueses ficarão conhecidos para sempre.
Juntarmo-nos todos à beira mar, no alto das falésias, e todos de mãos dadas, saltarmos em direcção ao abismo, num suicídio colectivo.
Saramago não será convidado. Ficará de castigo a falar castelhano para o resto da vida!
Isto é para os putos aprenderem a não irem ao pote da marmelada!

pvnam disse...

---» No passado, os adoradores de negociatas de lucro fácil [um exemplo: os exploradores de escravos] conduziram sociedades europeias ao Colapso Total...
---» Os adoradores de negociatas de lucro fácil da actualidade... estão a conduzir sociedades europeias ao Colapso Total...
---» A filosofia dos adoradores de negociatas de lucro fácil é muito simples: VALE TUDO EM NOME DO LUCRO.

---» A única forma de travar os adoradores de negociatas de lucro fácil [isto é, a única forma de impedir o Colapso Total], é, antes que seja tarde demais, reivindicar o legítimo Direito ao SEPARATISMO.


EXEMPLO 1:
---» Jornal Correio da Manhã, Sexta-feira, 31 Agosto 2007: o bastonário da Ordem dos Advogados, Rogério Alves, crítica a decisão do governo de suspender o processo de regularização excepcional de imigrantes ilegais...
---» Pois, é fácil de perceber a preocupação do senhor Rogério Alves: estavam (estão) em curso cerca de 100 mil processos de legalização... cada processo envolve um advogado... são muitos milhões de euros a caminho dos bolsos dos advogados.

EXEMPLO 2:
---» Criar 100 mil adultos fica caríssimo ao Estado (ou seja, aos contribuintes): incentivos monetários à natalidade, despesas com a fertilidade dos casais, despesas com a gravidez das mulheres, despesas em Saúde e Educação até à idade adulta...
---» Solução óbvia: nacionalizar imigrantes... argumentando que... cada país/cidade/bairro/rua deve ser um mundo multicultural.

ETC...



ANEXO:
--> Só os OTÁRIOS é que acreditam que os 'descendentes de Obikuelus'... irão preservar/seguir a linha de pensamento dos 'descendentes de Aljubarrota' (e afins, por essa Europa fora...).
{ nota: para os 'descendentes de Obikuelus' (e afins...) conquistar uma nacionalidade... é... uma formalidade burocrática... no entanto, serão os 'descendentes de Obikuelus' (e afins...) que irão realizar a RENOVAÇÃO DEMOGRÁFICA }
--> Quando dominarem demograficamente a situação... poderá vir a acontecer um Novo Tratado de Tordesilhas: os Predadores Insaciáveis... poderão acordar, entre si, a divisão/partilha da Europa!
{ nota: existem Predadores Insaciáveis que estão numa ‘CORRIDA DEMOGRÁFICA’ pelo controlo da Europa!... [Exemplos: Os Africanos, os Mestiços, os Árabes,... --->>> nota importante: existem excepções à regra -> pessoas de Boa Vontade...] }
{ mais uma observação: tal como, por exemplo, os albaneses do Kosovo gostam muito da Sérvia... os 'descendentes de Obikuelus' (e afins...) também gostam muito dos seus países de 'acolhimento'..... ihihihihihihih }