segunda-feira, março 10, 2008

Efeito dominó



«Every day now, thousands of people all over the U.S. and Great Britain are walking away from their homes - simply mailing their house keys to the banks - as housing bailout plans fail.
With unemployment growing, the next phase will hit commercial real estate making the financial institutions the unwilling owners not only of quickly depreciating houses, but also of empty strip malls and even larger shopping centres.
The next domino to fall will be credit card defaults, and after that... who knows?»

9 comentários:

zazie disse...

Já está a ser. Uma data de comércio a encerrar, cartões de crédito cancelados pelos bancos, e por aí fora. Aquilo vive de dinheiro de plástico e finança e o rombo vai ser grande.

Mas há quem ganhe muito com estas crises e esta sabe-se de onde veio. Alguém tinha de pagar a guerra.

O que é incrível é a série de países árabes a deitarem a mão e a comprarem parte de grandes bancos europeus.

Anónimo disse...

Náo só europeus, Zazie, americanos também.

Os intermediários e afins, que estão a lucrar em grande com a sobresobreinflação do crude, vão acabar, tal como os países produtores, a 'comer areia'.

zazie disse...

Claro, mas desses já se sabia, a crise começou lá.

A questão do FED e do governo americano nesta treta é que parece não ser tão simples.

Não sei. Tenho uma série de informações contraditórias. Agora os grandes bancos europeus a serem comprados por Singapura ou pelas arábias, sim. E isso era impensável há pouco tempo. A falirem assim, de um dia para o outro, os maiores do mundo.

timshel disse...

escrevi eu em tempos (modéstia à parte e passe a publicidade):

"A necessidade de políticas redistributivas e igualitárias em termos mundiais não parece ser apenas um imperativo de natureza moral.

Neste momento, essa necessidade começa a ser também um imperativo de eficiência e funcionalidade do próprio capitalismo.

Poucos ricos cada vez mais ricos (e cada vez mais poucos) face a milhões de pessoas (cada vez mais milhões) a ganhar comparativamente cada vez menos dinheiro conduz a crises brutais de procura de bens e serviços e a recessões económicas mundiais de grande dimensão."

zazie disse...

Mas nada disto teve a ver com economia, Tim.

O problema é que já nem é coisa derivada de dinheiro da banca mas de empréstimo baseado em empréstimo de empréstimo de .... por aí fora. Ar que se vende, ar que se compra, ar de que se vive.

E até foi para despachar excesso de papel despachado por sua vez pelo governo para FED e FED para bancos que estes tiveram de o despachar para oferecer casas a quem as não pode pagar.

E agora vão ter inventar mais produtos para despacharem o que não conseguem a quem os pode pagar...

zazie disse...

O exemplo aí em França do tipo que arruinou o banco, foi comentado pelos toinos dos franceses como um herói à Robin Wood. A parvoeira é que se esquecem que quem paga são os "pobres". Já que ele roubou para ele.

zazie disse...

Aliás, se houvesse mais pobres até havia menos crises destas...

ehehe

Pois se qualquer um pode viver endividado para imitar os ricos, que se estava à espera. Só pode rebentar. Basta deixarem de poder pagar essas riquezas todas que lhes oferecem de mão beijada para irem aos milhares para a rua e virem as falências.

è por isso que estas coisas atacam menos os campónios que são quem menos confia em bancas e os que têm menos facilidades de empréstimo.

Quanto mais plástico mais rico endividado e pobre também. Por cá é meio mundo a crédito.

kommando disse...

The report goes on to say that we are entering a period for which there is no historic precedent. Any comparisons with previous situations in our modern economy are invalid.

We are not experiencing a "remake" of the 1929 crisis nor a repetition of the 1970s oil crises or 1987 stock market crisis.

What we will have, instead, is truly a global momentous threat - a true turning point affecting the entire planet and questioning the very foundations of the international system upon which the world was organized in the last decades.


Das duas uma. Ou esse é o início da derrocada do Império Americano, ou seremos testemunhas da III Guerra Mundial.

Anónimo disse...

É o fim da Revolução Industrial.