quarta-feira, novembro 29, 2006

Um risco que já passou

Escrevia Fernando Pessoa, há quase cem anos atrás:
«A nossa civilização corre o risco de ficar submersa como a Grécia (Atenas) sob a extensão da democracia, de cair inteiramente nas mãos dos escravos, ou então de ficar como Roma, não nas mãos de imperadores filhos do acaso e da decadência, mas de grupos financeiros sem pátria, sem lar na inteligência, sem escrúpulos intelectuais e sem causa em Deus.»
Pois bem, quase um século transposto, fosse hoje vivo, Pessoa podia tranquilizar-se: a nossa civilização já não corre tais riscos. Já ultrapassou essa fase perigosa. Já se "romanizou" até à ponta dos cabelos. Já caíu por completo nas tais garras... Que de mãos têm quase nada, mas de tentáculos providos de ventosas têm quase tudo.

Na altura, como antídoto para o ameaçador processo, Pessoa estipulava «uma lenta aristocratização» que «pela arte, supremamente, podia ser feita».
Hoje, porém, há suficientes provas de que foi precisamente o contrário disso que aconteceu: em vez da tal "lenta aristocratização, foi uma rápida cacocratização o que alastrou e floriu. Não foram os melhores, mas os piores quem vicejou. Inaugurou-se a era do "quanto pior, melhor". Num perverso sentido, acaba por ser uma aristocracia às avessas, de patas para o ar - uma "aristocracia dos pérfidos", dos destituídos de qualquer escrúpulo, ética ou valor - para além daquele com que recheiam os bolsos offshore. Daqueles a quem nada custa vencer a qualquer custo. Dos descendentes ufanos do macaco que doravante emulam a ratazana. A bem do sucesso fácil, do êxito rápido, do triunfo obscuro, o mais ignóbil e rasteiro possível. A mal deste desgraçado planeta que, em regime de praga, infestam.
E se a civilização vai assim, o país, penduricalhado à boleia, não vai melhor. Porque se, como vaticinava ainda Pessoa, «uma nação vale o que vale o seu escol», então, hoje, Portugal não vale a ponta dum corno!...

3 comentários:

Francisco Teixeira disse...

Que é que nos resta. Dragão está coberto de razão para além de o dizer de uma forma esplêndida. A nós só nos resta implodirmos, explodirmos, batermos com a cabeça na parede, rasgarmos as vestes e cobrir-mo-nos de cinzas.

dragão disse...

Resta-nos isso tudo que diz, e muito bem, e resta-nos o riso. Bem como a coragem de não deixarmos morrer a esperança. Nas noites de borrasca, quando o céu parece desabar, já o homem pré-histórico sabia: guarda-se a chama para melhores dias.
Manda uma Vontade que nos ata ao leme...

Warsalorg disse...

Concordo com tudo mas não deveríamos ser tão pessimistas, (nós portugueses) senão perpetuamos ainda mais este estado de coisas no futuro..Bem, ao menos que nos reste o humor!..