segunda-feira, novembro 13, 2006

Os Mal Mortos

Os mortos não obra de anglo-saxónicos – da inquisição, dos comunistas, dos nazis, do Vlad, o Empalador, dos Hunos, dos Mongóis, dos Sérvios, etc – não param de aumentar. Mesmo depois de mortos, a cada novo estudo, monografia ou revisão, duplicam, pululam, multiplicam-se a olhos vistos. O que começa por ser um milhão, dez anos depois já ascende a cinco ou seis. Inesperadas valas comuns, apurados registos tétricos, recentes prospecções necrolíferas irrompem a cada esquina e ampliam a macabra colheita.
Em contrapartida, os mortos por via das forças civilizadoras, liberalizantes, democratizantes dos anglo-saxónicos, do Império Britânico ao Americano, passe a redundância, diminuem a uma velocidade ainda maior. Se em 1950, os civis alemães exterminados em Dresden com bombas de fósforo orçavam pelos 200.000, a contagem mais recente, na viragem do milénio já só recenseava 25.000 cabeças. Dez vezes menos. E quem diz Dresden, diz Hiroshima, Indonésia, América Latina e outras limpezas que tais . Dir-se-ia que depois de desaparecerem da face do planeta, refundem-se agora da face das estatísticas.
Somos compelidos a extrair uma conclusão lógica disto tudo: há mortos que, na verdade, não estão bem mortos, uma vez que se reproduzem. E há outros que ainda menos mortos estão, uma vez que se escafedem para parte incerta. Andarão a monte? Certo é que ressuscitam às centenas a cada ano que passa.
No entretanto, alegremo-nos: afinal, parece que há mesmo vida para lá da morte.

16 comentários:

Anónimo disse...

Bla´blábláblábláblá....

Anónimo disse...

E eu ainda digo mais, bláblábláblábláblá pois pois sim blábláblá claro claro blábláblábláblá concerteza evidentemente bláblá...bláblábláblábláblá pois pois sim blábláblá claro claro blábláblábláblá concerteza evidentemente bláblábláblá...

Anónimo disse...

Matemática, meu caro Dragão, simplesmente matemática.
E ai de quem se lhe oponha e lhe chama simples estatística...!?
T’á fodido.

Legionário

Acoral disse...

Estes anónimos andam a ver muito o canal 2, só pode!!!!

dragão disse...

Canal 2 é demasiado. Parece mais uma overdose de TVI.

ab disse...

Sie blog ist sehr interessant aber, bezüglich dieser Zahlen, ich stimme mit Ihnen nicht überein.
Keiner kämpft darum was in Dresden, Hamburg, der Sowjetunion oder Hiroshima aber dennoch geschah, müssen Sie tha in einem großen Ausmaß verstehen, die Sieger schreiben Geschichte. Es ist immer dieser Weg gewesen.
wenn Deutschland, die Sowjetunion oder Japan gewonnen hatten, würden sie denselben machen.
Das ist nicht richtig oder historisch genau, aber es ist, wie dinge sind.

Anónimo disse...

"Sie blog ist sehr interessant aber"

Este blogue interessante??? Gosh, aparece cada maluco na internet!...

Grunho disse...

Está bem. Telefunken

Anónimo disse...

Ainda por cima um alemão nazi!.. Se não fosse pelos meus comentários de vez em quando, já não sei onde estaria o nível desta espelunca.

Acoral disse...

Aconselho o Sr. Dragão a disponobilizar um "Livro de reclamações"

Acoral disse...

"i"

T-Regina disse...

ab - Ich nur ganz wenig Deutsch sprechen kann, aber indessen denke dass Sie, mit ihren Kommentar, haben mit uns alle zu spielen gewollen, nicht wahr? Friede und Blogosaurische Begrüssunge

Dragão, e aqui se retoma a questão da dignidade de que falava no seu post de há dias... A memória torna-se elástica como uma mola e os registos que poderiam equanimizá-la ou são de material sintéctico, à partida, ou, quando de pura lã, lavados a 80º ou pendurados pelas golas nos estendais dos interesses. E permita-me comentar: Genial, a última frase! Saudações blogosáuricas

Anónimo disse...

E ainda ninguém percebeu que o Dragão não pesca nada de alemão!... A única coisa que ele sabe dizer é Isch liebe disch que aprendeu com uma turista alemã quando estava a acampar em Lagos porque queria ir para a cama com ela mas não lhe serviu de nada, levou cá uma tampa!... (a pronúncia não estava correcta). Ai, que vida triste, pobre destino o de alguns.

dragão disse...

Pesco quase nada. Mas lá vou decifrando. O que, convenhamos, não é o seu caso com o português.

Agora o Leclercq saiu-me melhor que a encomenda: afinal é o Artur Jorge.

A.H. disse...

Ora isto explica-se de uma forma muito simples, como deus já voltou à terra eis que começaram já as ressureições. Ha-ali-é-Lulas, o sinhor chigou!!!

Estagora! LeCareca a falar alemão? Pena é que com muita calinada.
Mas o gajo desta vez até tem razão, finalmente admite que a democracia que ele tanto dizia existir não passa de mais uma fraude.
Evoluiu, o gajo!

E já não se chama Iachula.

JSM disse...

Caro Dragão
Andam a monte.
Quem deve ter aprendido a manusear estatísticas com estes brincalhões, é o nosso governo, a propósito do desemprego! A mulher a dias que costuma limpar aquilo, todos os dias emprega uns quantos no balde do lixo.
Mas enfim, repito, esses anglo- saxónicos que ganharam a guerra, são uns brincalhões.
Até um dia...
Um abraço.