domingo, abril 13, 2008

Economia aplicada, ou A Tenente-Comandanta Rebecca Caralhinson


4 comentários:

dr. agnóstico disse...

Tudo o que está a acontecer actualmente não incomoda sobremaneira o(s) poder(es) de facto dos EUA e os tóinos nunca sequer se perguntaram porquê.

Estamos, tão só, num dos capítulos desse manacial de «instruções» que é o PNAC.
Só isso!
Como disse o sr.Presidente: «It will take time to restore chaos»

Amen.

Anónimo disse...

Esta Senhora é íntima do Caguinchas?

Dragão disse...

É objecto de conhecimento do Engenheiro-Arquitecto-Diácono Ildefonso Caguinchas. Mais respeito quando se refere Sua Proeminência, ó anónimo!...

leprechaun disse...

Não vejo que grande interesse possa ter nada disto, embora seja bem conhecido como a "voyeurista" justiça norte-americana adora perder tempo a devassar a vida privada das pessoas, sejam elas figuras públicas ou não.

É certo que isto sucede num processo judicial, onde aliás nem figura nenhum acusação ligada directamente à prostituição em si, um termo de que pessoalmente não gosto pela conotação pejorativa que ainda lhe está associada. Acompanhantes (escort) ou mesmo o brasileiro "garotas de programa" soa de facto algo mais agradável ou eufemístico.

Depreende-se, pelo teor da notícia e sobretudo a acusação mais grave de "racketeering" ou "associação criminosa", lato sensu, que os serviços sexuais serviam outro fim que não o do mero prazer e companhia, deveras de luxo, neste caso!

As minhas traduções nem me rendem a 10ª parte disso, mas também sou um Gnomo já sem viço...

...e se não há $ não há vícios...

Rui leprechaun

(...nem vida austera e cilícios! :))


PS: Sigo o caminho do meio... marcho avante sem receio! :D