terça-feira, novembro 13, 2007

O seu a seu dono

«Somos anões que treparam aos ombros dos gigantes. Desse modo, vemos mais e mais longe do que eles, não porque a nossa vista seja mais aguda ou a nossa estatura maior, mas porque eles nos erguem no ar e nos elevam com toda a sua altura gigantesca (...)»
- Bernardo de Chartres (Séc. XII)

3 comentários:

Terpsichore E. M. disse...

Obrigada, caro Dragão.
É isso mesmo: imagem bela, clara como água pura, e que não esquece.

O meu sério prof de História de Filosofia, que se ri da forma como ''os que têem as certezas '' de hoje, se riem dos ''criacionistas'', etc., dizendo que é preciso estudarem os antigos - para saber do que andam a falar - concordaria também.

Bem, cumprimentos

A ver se faço alguma coisa para que um dia algum desses gigantes me pegue ao colo um bocado... :)

Lusgon disse...

Quando me deparei a primeira vez com esta frase o texto exprimia a crítica para com uma tendência da idade média de uma posição só ser válida se tivesse sido abordada por Gigante (Personagem da antiguidade). E com a luta que personagens como Newton tiveram de enfrentar para criar algo novo, precisamente o que esses Gigantes tiveram de fazer na sua altura.
Todos nós somos anões, por geniais que sejamos, hoje em qualquer época. Só poderemos chegar a Gigantes pelo alcance do nosso legado, aquém e além dor...
É pena que hoje existam tantos anestesiantes?...Concordo, mas a dor, cada um sabe da sua.

Kzar disse...

Sr. Dragão:

Obrigado, pelo crédito (generoso) e pelo esclarecimento (esse, verdadeiramente magnânimo); Newton fez uma citação, ou melhor, parafraseou.

PS: não me parece que a ciência complique...