segunda-feira, outubro 23, 2006

Tempo de Antena - Obus Gay, Ilda Anormal e LGTB-GTI

(O tempo de antena que se segue é da exclusiva responsabilidade da Obus-Gay, Ilda Anormal e LGTB-GTI)



Astérix é xenófobo! incute nas criancinhas aversão ao estrangeiro, ao multiculturalismo e à babel do arco-da-velha.
Astérix é um nacionalista feroz! - conspira contra a proto-globalização, consubstanciada na comunidade romana da época, muita mais evoluída tecnológica, social e politicamente.
Astérix é retrógrado e reaccionário! - opõe-se ao progresso, à melhoria das condições de vida dos aldeãos através do investimento externo e da prestação de serviços, apoia a monarquia, a superstição religiosa e contribui para a alienação do operário Obelix, seu ordenança analfabeto e mão-de-obra gratuita para os permanentes raides violentos e operações anti-Mercado em que ambos, com troglodita obstinação, se encarniçam.
Astérix é galofaxista! - a aldeia é um antro de terroristas empedernidos, todos eles fanatizados, que urdem planos maléficos, projectos sabotadores e acções demolidoras contra a Civilização Ocidental e o seu superlativo modo de vida.
Astérix é anti-semita! - a aldeia não tem nenhum simpático judeu, que trate de emprestar dinheiro a juros, que faça progredir as ciências ou que dirija os media do lugarejo.
Astérix é um perigoso comunista! - o banquete final e a poção mágica são colectivos, fraternais e não, como se impunha, distribuídos segundo o pedigree, o curriculum vitae, os contactos ao mais alto nível ou a ambição de cada privado. Além disso, a irredutível aldeia fundamenta-se na tribo e não na Sociedade Anónima.
Toda a aldeia é homofóbica, maltratando e oprimindo o bardo-gay!


Os livros de Astérix deviam ser equiparados ao "Mein Kampf", pois em nada se distinguem. Com a agravante de aspergirem a sua nefasta influência sobre mentes ainda tenras e indefesas.
Apelamos desde já à Fernanda Câncio para que apele ao boicote imediato e total dos livros de Astérix! Basta desta pedopornografia bélica! Queremos adoptar crianças não poluídas e pervertidas por estas rudes axiomáticas trauliteiras! Basta!

A não ser que, no número deste Natal, o autor se retrate, ou seja, que Astérix e Obelix assumam a sua relação, sejam casados pelo Druida e adoptem um pretinho Núbio (pode ser, por exemplo, aquele que faz de gajeiro no navio pirata) e tudo termine, não com um banquete de alarves carnívoros, mas num piquenique romântico a dois, ou melhor, a três, já que o bardo também participará, a título de artista convidado. Aliás, a quatro. Já nos esquecíamos do pretinho Núbio...
****************************************************


A mensagem que acabaram de ler foi da exclusiva responsabilidade dos intervenientes.

13 comentários:

A.H. disse...

Esses Gauleses são todos uns malditos faxistas e ríachunários.
Sempre conta o pugresso ...

Lol!

ab disse...

O post é bem divertido e confirma a ideia de que estou mesmo perante um (o!) verdadeiro iconoclasta.

Ao acompanhar este blog(ue) vemos que vai tudo a eito: da esquerda à direita, passando pela horizontal, pela vertical e pela diagonal, sejam faxxxistas, neo-conas, comunistas,nazis, liberais, conservadores ou quaisquer outros estupores, ....nada (nem niguém) se safa.

Ó homem, não é capaz de fazer um panegírico?

:o)

oliveira da figueira disse...

o banquete final termina numa orgia platoniana.

viva a anarquia, viva CÉSAR AUGUSTO DRAGÃO!!!

MP-S disse...

O' Dragao, a seguir vem o Tintin - em particular, o "Tintin au Congo". (este album esta' conspicuamente ausente das
contra-capas das edicoes norte-americanas do Tintin)

E nao te esquecas das "Aventuras dos Cinco" e do machismo encapotado que leva a Aninhas a querer ser uma dona de casa exemplar (esta serie e' muito "politically incorrect" - disse-me uma senhora muito seriamente num Barnes & Noble).

dragão disse...

Eu não tenho nada a ver com isso. Dirige-te à Ilda Anormal. Não quero cá confusões... :O/

Carlos a.a. disse...

Anarca, o Dragão? Não creio, de todo! Acontece é que o Dragão vê (o que já é muito raro) que a humanidade não consegue encerrar-se em ideologias utópicas, ciêntificas ou oportunísticas, mas sabe e não abdica de que há princípios da qual ela não pode abdicar sem se negar.
O Dragão fala da hipocrisia da razão algemada e contrapõe uma ética e uma estética da vida, ou seja, uma coluna vertebral firme, vigilante, embora com uma militância irónica, o que é de salutar se não daríamos todos em doidos.

Acoral disse...

Adoro Astérix, cada vez mais!!!!

Anónimo disse...

Naquela aldeia o único que tem razões para não ser gay é o velhote de muletas que tem uma mulher boa com'ó milho. Os outros coitados têm por mulheres cada estafermo que não admira dêm em gays!

dragão disse...

Isso,desculpar-me-á, não me parece razão suficiente para todos eles serem gays, mas antes e apenas para serem adúlteros com a mulher do velhote entrevadinho. Ou então tomarem a poção e irem todos às putas. A Roma.

A.H. disse...

"
Ó homem, não é capaz de fazer um panegírico?
"

E porque que não um paracetamol?

Astérix ao poder já!
Os "rotos" que paguem a crise!

Anónimo disse...

Em Lutécia não serve???

Warsalorg disse...

Esses francíus precisam mesmo do Asteríx para compensar os subterfúgios e a sua mesquinhez. Senão repare-se, em muito cinema e literatura francesa(incluindo B.D., e na B.D. de ficção e aventura tiro-lhes o chapeu), ou dão "porrada" nos ingleses, italianos ou alemães, especialmente nestes últimos. Ainda noutro dia vi um filme em que os alemães eram caricaturados de "nazis" e de broncos(Taxi, de Luc Besson)2004..Um filme tão mau, tão mau, tão mau que foi o primeiro filme que eu não consegui ver até ao fim! Mas ainda há excepções, Baudelaire, Sartre, Depardieu entre muitos outros..
Não sei como é que eles ainda não inventaram "uma aldeia gaulesa e uma poção mágica em B.D." passada em 1940 aquando da invasão alemã...

zazie disse...

Olha o Carlos! tinha de ser. Les beaux esprits toujours se rencontrent

";O)