segunda-feira, outubro 16, 2006

A cadeia alimentar

Ironizava Voltaire que o capitalismo consistia no “segredo de obrigar todos os ricos a fazer trabalhar todos os pobres”.
Mas o humorista João Miranda, de turbo-chalaça sempre engatilhada, acaba de redefinir a coisa em termos ainda mais vantajosos. Segundo ele, e melhor dizendo, o capitalismo é o “segredo de transformar os famintos em obesos”.
Por um lado, é óptimo sabermos que podemos sempre optar entre o jejum involuntário e o veneno ao retardador, mas rico em calorias.
Por outro, confirma-se o que eu há muito suspeitava: esta é uma questão que não pertence ao foro do aparelho mental, mas, isso sim e em exclusivo, ao do aparelho digestivo. Deduz-se daqui, necessariamente, uma verdade incontornável: arrota-se muito mais num sistema capitalista do que em qualquer outro. Arrota-se e caga-se, como é óbvio.

11 comentários:

Warsalorg disse...

Seguindo o pensamento de João Miranda, quando o capitalismo se espalhar à escala global, e quando o mundo for uma imensa colónia americana, por exemplo em África, grande parte da população será obesa, e terá todo o tipo de problemas relacionado com a obesidade? Já estou a ver, no Congo comer-se-à Mcsnake, ou Monkie Mcnugetts, com molho de Jiboia e recheio de funge

MP-S disse...

O' Dragao,

http://ablasfemia.blogspot.com/2006/10/no-por-acaso.html

se foste tu, os meus parabens. Aquilo esta' cada vez melhor!!! :O))))

Senao, poe-te a pau: tens concorrencia da pesada! :O)

ab disse...

Quer se goste quer não, o Capitalismo é a única forma de organização económica que provou ser viável.
Isto não é uma opinião, é uma constatação.
Nem é preciso ser economista para ter noção disto, tanto que as alternativas tiveram os resultados que se viram.

O que se pode (e se calhar deve) discutir é o enquadramento do Capitalismo e as regulações e regras que o devem enformar (a definição de regras), até para evitar entrar em 'extremismos suicidários'.

A.H. disse...

"Quer se goste quer não, o Capitalismo é a única forma de organização económica que provou ser viável."

Pois pois, antes de existir o santo capitalismo, era tudo um caos em que ninguém conseguia sobreviver. Eu pergunto-me como terá o homem sobrevivido tanto tempo sem este "espírito-santo".

"Isto não é uma opinião, é uma constatação"

Ou talvez,... uma mentira completa?

"...até para evitar entrar em 'extremismos suicidários'. "

Sim, como a imigração descontrolada, o embuste global e o neo-conismo, não é verdade Leclerc?

ab disse...

"Eu pergunto-me como terá o homem sobrevivido tanto tempo sem este "espírito-santo"."

Sempre existiu mercado e sempre existiu propriedade privada, as bases do Capitalismo. E, nesses tempos 'paradisíacos' de que parece ter saudade não faltaram sangrentos conflitos motivados pela pura e simples rapina, pelo saque, pelo esbulho e pela cobiça.
(como vê, mais uma vez, a modernidade não inventou nada disto, apenas 'adaptou')

O Capitalismo moderno nasce com a Revolução Industrial e com a alteração das estruturas e organização da produção.
Se quer voltar para trás mais de 200 anos aos tempos pré-industriais faça o favor de tentar e, já agora, de convencer o mundo a isso.:)

"Sim, como a imigração descontrolada, o embuste global e o neo-conismo, não é verdade Leclerc?"

Não seja simplista.Contava com mais da sua parte.
O Capitalismo existiu, e viveu muito bem, muito antes do aparecimento das realidades que descreve.
(não dê tanta importância aos neo-conservadores....até porque tudo indica que podem muito bem ser apeados do poder na sequência de eleições que se avizinham nos EUA)

Quando falo em regras e limites refiro-me não só ao combate à emigração descontrolada (com o qual concordo), vou mais além.
O Capitalismo deve ser um meio e não um fim em si mesmo.

Espero que tenha compreendido o que quis dizer.

JMS disse...

Claro que o humorista em questão se esqueceu de dizer que esse capitalismo clássico, com preocupações redistribuitivas e sociais, está em vias de extinção. O segredo do neo-capitalismo actual é antes o de transformar os obesos em excedentários e desempregados. Mas os colaboracionistas do tipo J. Miranda são hábeis na arte de confundir tudo, é para isso que lhes pagam.

dragão disse...

Eles blogam... :O)

Anónimo disse...

e então se for um caso como o do humorista que refere que tem a tripa cagueira ligada ao cérebro, é diarreia mental para deleite dos pobrezinhos e magricelas ... de espírito

danos colaterais

Adas8 disse...

Sempre que se fala da cadeia alimentar, lembro-me daquela fábula da serpente que perseguia sem descanso um pirilampo que, como podia, lá se ia safando. Um dia, farto de ser perseguido, perguntou à serpente porque o perseguia, se ele nem pertencia à sua cadeia alimentar! E a serpente obviamente respondeu : "- Sabes, Pirilampo, é que não suporto o teu brilho!"

Isto da cadeia alimentar tem mtº que se lhe diga, oh, se tem!

Warsalorg disse...

O capitalismo é o único sistema que vai mais de enconto às necessidades e à verdade. Os sistemas que tentaram, ou tentam abolir uma economia de mercado aberta são completamente falaciosos..O ab têm completa razão quando diz:
"O que se pode (e se calhar deve) discutir é o enquadramento do Capitalismo e as regulações e regras que o devem enformar (a definição de regras), até para evitar entrar em 'extremismos suicidários'.
O problema não é o capitalismo existir, mas existir de uma maneira desenfreada e desregulada, em que o estado têm menos poder decisório que os grupos económicos privados..Acho que a maior parte das pessoas que são anti-capitalistas sofrêm de um gravíssimo complexo freudiano de não o serem(salvo raras exepções e alguns bons samaritanos). Ao menos quando uma pessoa diz que é capitalista e liberal têm menos a esconder que muita gente que se intitula de esquerda e tão-se-a borrifar para se o seu vizinho passa fome ou está desempregado. Não é preciso ser de esquerda para ser "bom", nem é necessário ser de direita para ser avaro..Primeiro que as políticas estão os homens(e as mulheres)...

Arrebenta disse...

O Orçamento dos Cobardes

Adoro todos os Ministros das Finanças, desde o defunto Professor Oliveira Salazar. Têm mais ou menos a mesma pinta, aquele "look", arraçado de manequim da Rua dos Fanqueiros com gato-pingado da ex-Agência Salgado, têm geralmente uma voz grave, tutelam todos os outros ministérios, são gente ponderada, e tudo fizeram para que Portugal se transformasse numa Suíça Ibérica.
Quando, devido à Tectónica das Placas, vulgo "deriva dos Continentes", Portugal entrou no seu Período Colombiano, os Ministros das Finanças começaram a assemelhar-se às formiguinhas: as formiguinhas -- agora vou escrever à Miguel Escreves um Nojo -- as formiguinhas libertam um odor chamado ácido fórmico, e por isso traçam carreirinhos, onde andam atrás umas das outras, As formiguinhas gostam muito de andar atrás umas das outras. Quando é Inverno, fecham-se nos formigueiros; quando é Verão, voltam para a superfície, e libertam ácido fórmico, para poderem continuar a andar umas atrás das outras.
Os Ministros das Finanças fazem o mesmo: o único trilho de dinheiros que conhecem, ou querem conhecer, é o que sai dos cofres do Estado, na direcção dos Funcionários do mesmo. Não de todos, porque os Funcionários do Estado são como os porcos: há uns que são mais iguais dos que outros. Os que ganham muito são pouco vigiados; os que ganham pouco, têm sempre a Máquina Depredadora, que os persegue. Para o cidadão comum, o processo é bom, e funciona como um bode expiatório: é fácil dizer que uma empregada marreca, que passa os dias encostada a uma secretária, em estado de semi-invalidez, a carimbar as entradas num elevador de Ministério, não deveria estar a receber 400 € por mês. Aliás, se é marreca, deveria receber menos, porque os marrecos não devem ganhar tanto quanto ganham as pessoas perfeitas; um deficiente, um cego, por exemplo, deve ganhar substancialmente menos, porque tendo só 4 de 5 sentidos, deve ser tributado, de modo a ter menos 20%, correspondente ao sentido que lhe falha.
Isto é Finança pura, como poderia explicar o Professor Cavaco Silva, um dos criadores deste tipo de raciocínios, enquanto Cacique das Finanças, e Cacique da Colômbia Ibérica.
Do mesmo modo, um coxo deve receber menos do que alguém que anda, porque quem anda gasta muito mais dinheiro. Um reformado não pode estar a receber tanto como aquele que durante décadas recebeu, porque já não trabalha, e, portanto, não é justo que ganhe o mesmo do que pessoas que se esfolam a trabalhar, aliás, a bom ver, nem deveria estar a receber nada, porque ele nada produz.
E isto poderia ser subscrito por um cretino da craveira de Pedro Arroja.

O Estado limita-se tributar, sistematicamente, os circuitos da Finança evidente, aqueles cujos proventos sabe de onde vêm, e para onde vão. Houve um tempo em que o fazia discretamente: desde o Cherne, passando por aquela coisa cavilosa que hoje é Ministro das Finanças, mais a Ferreira Leite, que quase parece santa ao pé destes, passou a fazer-se a coisa às descaradas. Por ali passa o dinheiro que nós sabemos, de modo que vamos já directamente lá.

O Orçamento ideal, e não há orçamentos ideais, deveria marchar na direcção do Desconhecido, uma espécie de "scanner" de causa/efeito, que varresse o país de alto a baixo, passando pela ostentação da propriedade, à ostentação dos carros, às contas dentro e fora do país -- na Europa não há dentro nem fora, não é?, a não ser para o que convém... -- aos jogadores "comprados" pelos clubes de Futebol, aos rendimentos declarados pelos "tais" Advogados, aos compradores de apartamentos acima de 500 000 €, e à quantidade de apartamentos de qualquer valor, desde que comprados, em massa, sempre pelos mesmos, às operações "stop" aos jactos privados, sobretudo naquelas aterragens, no Aeroporto de Faro, em que voltam, dos leilões de Londres e Paris, com bagagens de mão, invulneráveis às alfândegas, carregados de Picassos, Monets e Porcelanas Han e Ming; rusgas, mas surpresa, às festas da Quinta do Lago e da Marinha, inspecções aleatórias às contas do Millennium-B.C.P., inspecções periódicas aos fabricantes de armas de Portugal -- alguém, aqui, sabe o nome dos cavalheiros que se dedicam à Indústria Nacional do Armamento?... -- e aos tais Industriais de Sucesso, que, de tempos a tempos se reúnem, para reditar as ideias salvadoras da Pátria.

Este é um Orçamento de Cobardes, aliás, típico das tácticas das cabeças de quem sai, e da Figura Lúgubre que é Primeiro-Ministro de Portugal, um mero roberto nas mãos de interesses inconfessáveis, cujos fluxos financeiros mensais, se tributados, dariam para equilibrar, para sempre, todas as contas de Portugal. É um governo que carrega de impostos cegos, velhos, inválidos e desprotegidos. É um Governo que prefere atacar a marreca da secretária à Marreca do Sistema, essa Coisa Calcinada e em vias de explodir que nem os operadores de "marketing" já conseguem ocultar. É certo que um dia a coisa estoira, de modo baixo, vil, e ignóbil. Ao nível da farsa da Câncio, que nós próprios não sabemos quanto nos irá custar, em 2007. Cheira mal, muito mal, e, como alguém já disse, a próxima não será com... cravos...