sexta-feira, outubro 20, 2006

Antropopitecos confusus

Neste país da treta, a compulsão com que certas antropopitecos liberalóides -panopinadores furiosos - pretendem submeter a cultura a critérios quantitativos puramente económicos só tem paralelo no idêntico frenesim com que os mesmos, mais outros semelhantes geralmente empoleirados na governação e na administração dos negócios do Estado, sujeitam a economia a critérios puramente ficcionistas, poéticos e dramatúrgicos. É uma pena - e um desperdício sinergético – que esta macacada nem domine a noção elementar que lhes compete: saber, ao menos, que galho é o seu.
Escapa-se-me o interesse, o assunto e a pertinência da apreciação da cultura por culturófobos, tanto quanto do exame da economia por poetas, aguarelistas ou encenadores. Redunda no mesmo rilhafoles que entregar o ensino primário a pedófilos ou canibais, e o patrulhamento das estradas a tetraplégicos.
E, todavia, não incorro em fantasia se disser que é num manicómio destes que o país zaranza. E patina pelo ralo abaixo.

8 comentários:

zazie disse...

ahahaha

podes crer. Nunca li síntese mais certeira

":O))

timshel disse...

ó dragão

bora lá

bora lá Dragão

bora lá, atirar tomates e hortaliças

deixa-te destas punhetices!

dragão disse...

Atirar onde? Ao Psico-Darfur?...
Também és daqueles que julgam que os chatos comem alface?...

nanda disse...

Em sintonia. "liberaloides" a opiniar em "economês" sobre teatro..."disguting"!São dos que só vão ao teatro a Londres! Pobre país!

ab disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
ab disse...

Algumas questões:

- É solidário com os 'ocupantes' de um certo teatro do Porto?
- Acha que eles têm razão?
- Acha que os contribuintes devem continuar a 'subsidiar' peças de Bertold Brecht?
-E Meyerhold (coitado, teve o fim que teve)?...que tal?
-Acha que se deve continuuar a discutir o existencialismo ateu?
- Acha que a 'História da Humanidade é a História da Luta de Classes'?
- O que acha da obra do sr.Pinter?


Será que deve haver Ministério da Cultura? (se sim, em que moldes e com que política?)...ou chegaria uma Secretaria de Estado?
Ou nem uma coisa nem outra?

Por princípio (e por insaciável curiosidade) sou dos que acha que, mesmo que seja para dizer mal, devemos ver e/ou conhecer mínimamente do que estamos a falar.
Por isso sou dos que, em alegre passeata, lá vai vendo (na medida da disponibilidade) muitas das peças com diminitua audiência (ou às vezes com uma surpreendentemente numerosa audiência) que por aí andam.
'Pago-as' uma vez, ainda que de forma indirecta (como todos) e, não conntente com isso, ainda vou pagar outra vez para ver.
Tem que admitir que sou um autêntico 'mecenas'?
:o))

Anónimo disse...

E quem és tu?

És o buiça!!!

dragão disse...

Grande parte do que passa por "cultura" é lixo. Desde a "esquerda cultural e sensível - com as suas agit-prop, que nem percebe, tantas vezes, que é manipulada e subsidiada por aquilo que se fantasia combatendo)- até aos pimbas, best-sellers et al, que o mercado glorifica, à força de publicidade, analfabrutice e estupidificação massificada.
Mas isto não significa grande coisa: afinal o nosso tempo é um tempo em que se cultiva o lixo. A lixolatria impera.
Quanto às perguntas, considero que são uma completa entrevista, pelo que responderei em letra de forma e na primeira página. Afinal, não é todos os dias que sou entrevistado. :O)

PS: E as perguntas até são catitas.