quarta-feira, novembro 16, 2005

Auto-plágio

Eu tenho mau feitio. Quando se mora numa caverna e se cospe fogo pelas narinas, a cada quarto de hora, é difícil não ter mau feitio. As cavernas são escuras e húmidas, inçadas de estalactites filhas da puta que nos contendem com a cornadura e estalagmites irmãs das outras que nos intimidam os tomates. Um gajo tem que andar na própria casa com mil cuidados, como se habitasse um campo de minas.
Não admira que receba cada vez menos visitas. Mas não é só por isso que tenho mau feitio. Mentiria se o dissesse. O resto do problema - se calhar a parte mais irritante-, é que o país, o mundo, a fábula aí fora estão cada vez mais infestados de cabrões, de coninhas, de beija-cus e cheira-rabos. De paneleiros e lambisgóias, então, é melhor nem falar. Louros, todos eles. Até os bumbos. Alastram por toda a parte: políticos, jornalistas e outros artistas é raro o que escape. São ruas, estradas, avenidas, repartições, televisões, jornais, ministérios, vilas, cinemas, discotecas, espeluncas, estádios -é isso tudo, sim senhor!- a abarrotar deles. Uma farturinha, que nem no século passado era assim tão luxuriante. Reproduzem-se, proliferam, enxameiam na forma de marabunta (des)humana. Agora, por sinal, até é chique terem muitos filhos, lógicamente tão cabrões, coninhas, beija-cus e cheira-rabos quanto os pais (ou melhor dizendo, quanto as mães, já que os pais, segundo consta, oscilam quase sempre entre o dúbio e o incerto). O mundo é deles e eu estou-me nas tintas. Se é deles, é porque não é grande merda. Não acho bem nem mal. Nem tenho que achar. Era eu a largar-lhes opiniões e eles a limparem o cu a elas. E faziam bem: é pró que a doxa serve! Não; eu preferia mesmo era corrê-los a pontapé, zurzir-lhes o coiro com estas minhas patorras desempenadas. Isso sim, isso é que me convinha ao espírito e à oxigenação mental. Andar aí pelos passeios, pelos corredores, pelas galerias -por toda a parte, enfim- e assestar-lhes com brutalidade, sem qualquer cerimónia nem clemência, patadas convictas, coices excelentes, abençoados, bem capazes de lhes enegrecer aquelas peidas balofas e fazê-los despegar, ainda que por breves decímetros, da terra que conspurcam. E fazê-los planar, ainda que por parcos instantes, num limbo de justiça. Não julguem que não disponho de músculos adequados - quadríceps treinados, gémeos desenvoltos- e ossatura conveniente. Garanto-vos: Não só estou bem equipado com essas faculdades utilíssimas, como domino, do kung-fu, inumeráveis técnicas, variadíssimos estilos, adestradíssimos modos. Haviam de ser umas biqueiradas de antologia! Haviam de merecer cobertura televisiva permanente, no que eu aproveitaria para desancar também os merdosos dos jornalistas, classe de insectos rastejantes por quem nutro especial gula. Mas dizem-me que é ilegal, crime codificado, ofensa corporal. Ameaçam largar-me mastins e polícias, passe a redundância. Podem ofender-me o espírito, mas não lhes posso eu ofender o coiro... Balelas! Sinceramente, é o que acho que são. Enchem-me a paciência, mas não lhes devo encher o cabaz. Esquisitisse burocrática, é o que é! Como não evacuo destas necessidades, como não desentorpeço estes justíssimos ímpetos, dou comigo de mau humor, esganado de parcimónias, estrangulado em inibições, a remoer antipatias. Deve ser por isso, também, que tenho mau feitio. Péssimo, direi mesmo. Dói-me mais esta inactividade forçada das pernas, que uma nevralgia, com buraco a céu aberto e abcesso, dos dentes.
Não admira que ninguém me visite. Não os critico. E mesmo os amigos, outrora numerosos, desapareceram todos para parte incerta, mas longínqua. Corri-os a pontapé, a bem dizer. E de quem é a culpa? Do cabrão dos mundo e das suas parvas regras, nem mais! Como não deixam um gajo correr sob esse fino trato os inimigos, tem o dito cujo que se aliviar de qualquer maneira e, de preferência, em alguém. Ora, como manda a aflição, vai quem está mais a jeito, isto é, vão os amigos. A pontapé, pois claro. É preciso é deitar aquele fel todo cá pra fora. É mais forte que nós. E os amigos, não se cansam eles de dizer, são para as ocasiões. Sejam. Ou melhor: foram. Mas é um falso alívio, que só nos deixa cada vez mais enfurecidos. Ou melhor: foi. O pior é que, com todo este infame desvio do justo alvo, nem o mundo melhora, nem nós.
Humm... Tu aí, ó coninhas!, chega aqui que tenho uma coisa para te dizer!...

4 comentários:

Anónimo disse...

V. o que precisa não é de amigos, é de amigas. Como esta aqui:

http://onfinite.com/libraries/262015/eb0.jpg

Vá ao cinema, beba as boas imagens com sofreguidão e vá para casa contorcer-se de dores por não ter uma amiga assim à mão.

Vai ver que alivia e arrefece os ânimos. Melhor que o xanax. :-)

MP disse...

Um beijinho.

Anónimo disse...

esquisitice burocrática

Barry disse...

For great prices and those hard to get items just check us out at http://www.bnbshoppersnetwork.com