domingo, agosto 21, 2005

A Internacional Nacionalista

Para além do papel determinante que Portugal desempenhou na Segunda Grande guerra, também me tenho estado para aqui a interrogar, batiscafado em abissal meditação, sobre o papel importantíssimo que Rudolf Hess teve na história de Portugal... Assim de momento, não me ocorre nada, mas deve ser ignorância e puro Alzheimer meus.
Entretanto, e para agravar as coisas, há uma ideia renitente, inconveniente e perniciosa que cada vez mais se me aloja na caixa craniana: É a de que - como se já não bastasse a Internacional Socialista, a internacional capitalista, a internacional sionista, a internacional gay, a internacional terrorista e a internacional gatunista mãe das outras todas -, agora também temos que aturar a Internacional Nacionalista. Foda-se, é dose!...
A propósito, outro preceito curioso e rocambolesco que me intriga e, confesso, diverte, é imaginar a cara que o Viriato ancestral faria se ressuscitasse e desse de trombas com aquelas belas saudações à romana... Ou mesmo o Afonso Henriques que, burguinhão de pai e visigodo de mãe, havia de achar imensa graça a tanta romanofilia em parada.
Este nazismo pechisbeque, fruto serôdio de epígonos amargurados e porteiros de discoteca, presumo que se esgota nas tatuagens, nos piercings mentais esohistéricos e em meia dúzia de vociferações descabeladas. Não constitui ameaça alguma para a bandalheira instituída: Apenas a municia. Apenas lhe fornece ramalhetes de belos argumentos. Apenas lhe faz o frete.
Não obstante, quando do magote peregrino, por entre a acne mal resolvida e a indumentária tribal de ir à ópera, descortinamos um esboço de vitupério e ameaças à relaxada democracia e aos proxenetas de serviço em geral, chega a ser pândego: dir-se-ia que, numa qualquer ruela canalha, uma excursão de peralvilhos escantados tirou o dia para andar a invectivar chulos. No fundo, não se trata de genuíno antagonismo, mas de mero conflito de interesses: Uns, com a gaita em farrapos, a quererem vingar-se da puta siflítica; os outros, escorados na polícia, a defenderem, com unhas e dentes, o ganha pão-marisco-caviar-chófer-e-vidanço à borla.

4 comentários:

nelson buiça disse...

BRAVO!
BRAVO!

na mouche!

clap, clap, clap, clap!

;)

Luís Bonifácio disse...

Eu adoro estes nacionalistas de pacotilha que confratenizam com os nacionalistas espanhóis (que nos desejam chamar um figo), franceses (Que adoram os nossos imigrantes) e alemães (Que odeiam todos os europeus a Leste do Oder/Neisse, a Oeste do Reno e a sul do Tirol.

nelson buiça disse...

" (que nos desejam chamar um figo)"

Em Barcelona não falem em figos Luis...você não se desgrace
:)

"alemães (Que odeiam todos os europeus a Leste do Oder/Neisse, a Oeste do Reno e a sul do Tirol."

Grosso modo....é verdade.
Tiques...

O nacional-SOCIALISMO*: grupo de proto, ex e para-marxistas de tendência imperialista que leram o Nietzsche e perceberam tudo ao contrário.


*Doutrina IDIOTA, seja qual for a variante em que se apresente, fruto das alucinações (por certo opiáceas) dos ZZ Top de Triers.
Desde que apareceu nunca mais houve um caralho de um dia de descanso.
Foda-se!

Anónimo disse...

o filho da puta do Buiça é NAZI