quinta-feira, agosto 25, 2005

Grandes eventos televisivos



Pode ler-se no DN.
"Portugal já provou que consegue organizar grandes eventos. Questiono-me por que razão não é capaz de travar a tragédia dos incêndios", diz Thomas Fischer, um jornalista alemão, da ZDF.

O Thomas que me perdoe, mas cai num contra-senso. E coloca uma pergunta absolutamente desnecessária cuja resposta está implícita na afirmação inaugural. A prova de que Portugal continua a conseguir organizar grandes eventos está em que, todos os verões, organiza os maiores incêndios da Europa. Isso e festivais rock. Ora, com certeza, a germânica criatura não sugere que Portugal se pusesse a travar uma coisa que organiza. Seria o mesmo que construir estádios de futebol para um qualquer Euro e depois proibir as entradas. Além do mais, a palavra "tragédia" está, de todo, mal empregue: o termo correcto é "espectáculo".

3 comentários:

Adolfo Dias disse...

Os fogos de verão têm vindo a melhorar de ano para ano.
ainda me lembro quando moço, os maiores fogos eram as fogueiras dos santos populares, e ocasionalmente algum fogo de verão, mas claro o sol nessa altura não era tão quente e não conseguia ignições nem em pinheiros nem em eucaliptos, que poucos havia então.
Estou grato por agora poder assistir anualmente a estes lindissimos fogos, que na minha modesta opinião são sem dúvida alguma os melhores da europa.
Por um portugal cada vez mais moderno e na "pole position" da europa.Viva Portugal!

Anónimo disse...

É, de facto, um espectáculo, mas com os dias contados!... ou racionam muito bem o espectáculo deste ano, ou para o ano não há mais...eh!eh!eh!

BOS disse...

Para um Dragão que se preze, que não um reles Komodo, estes incêndios devem de ser realmente um "espectáculo". E os pirómanos, coitados, são olhados de soslaio como concorrentes estivais pelos labarédicos bichos.
Em anos futuros, se a coisa não se resolver — como alguém já propôs — com a "despenalização dos incêndios" e a criação de "salas de chuto incendiário" (com direito a isqueiro, gasolina e um bocadinho de mato), há-de resolver-se em favor do turismo pátrio com as construção de estalagens panorâmicas em frente às melhores serras e matas. E depois cativaremos os estrangeiros com 'slogans' apropriados ao dantesco espectáculo. Nos países anglo-saxónicos, aplicar-se-á a frase: «Portugal is hot!», com música de fundo dos Doors: «Come on baby, light my fire...» No Brasil, creio, bastará um expressivo «Portugal é fogo» para convencer a turistada.
E só então perceberemos por que nos garantem que a floresta é o nosso «petróleo verde»...! Temos aqui uma mina, é o que é! Turismo pirómano — um 'cluster' para o século XXI.