segunda-feira, agosto 29, 2005

Ao contrário dos avestruzes

A Polícia Judiciária, prontamente corroborada pelo João Miranda,veio atestar, peremptória e cientificamente, que, de todos os incêndios que têm desflorestado o país, só 20% são obra de pirómanos voluntários, malévolos e premeditados. Mais certificam que, nesses 20%, a regra geral da autoria são tolinhos, marginalizados ou ébrios avulsos.
Diante deste portento informativo, extintor implacável de quaisquer dúvidas, resta-nos, para digestivo, um dilema: Ou os aldeãos andam com alucinações; ou os tolinhos e congéneres - tão preclaramente tipificados - voam.

4 comentários:

tina disse...

É só para dizer olá e que gosto muito do seu blog.

josé disse...

Ó pá, Dragão!
Estas declarações desse inenarrável director da PJ- parece que os escolhem a dedo, aliás, para mostrar exactamente aquilo que não deveria ser um director de polícia- são de uma idiotice rematada.

Como é que um responsável( escrevi outro substantivo comum, mas arrependi-me e mudei) desse calibre pode dizer o que disse se não houve qualquer tipo de investigação aturada ou mesmo perfunctória na maior parte dos incêndios que devastaram o país nos últimos quinze dias?!

COmo é possível dar crédito a estas afirmações de imbecilidade comprovada pela lógica das coisas?!!

COmo, santo Deus?!!

DO Miranda não me admira, pois quer sempre, à viva força, arranjar um modelo matemático ou uma teoria integralmente explicativa, mesmo sintéctica e de bolso, para a complexidade dos fenómenos sociais.
Mas do director da PJ exige-se senso comum e verdade estatística, naquilo que vai deixando em público.

josé disse...

Acabei de colocar no Blasfémias um comentário dirigido ao João Miranda, com o seguinte teor:

"Tenho lido por aqui, esparsamente, menções esparsas ao "direito de propriedade", da autoria do João Miranda.

Direito de Propriedade é um assunto complexo. E começa logo na definição do seu objecto: a coisa!

O que é uma coisa, caro João Miranda?!

Saberá dizer-nos?"

Fico à espera da resposta do denodado ultra-liberal...

dragão disse...

Até que fazia bem ao Miranda ler o Heidegger.
Tem mesmo uma obra específica sobre o assunto.