quarta-feira, janeiro 17, 2007

Carta aberta de um cidadão americano ao mundo


Descontando a visão naif do passado da "grande nação", é uma boa carta.

6 comentários:

Anónimo disse...

A memória: "A memória é excelente para esquecer, David". (Stevenson) O autor apagou da memória a origem da formação da USA. Apagou da memória que foram os americanos que livraram o mundo da ameaça nazista, que lutaram pela liberdade da Coreia e no Vietnam, em Cuba, e agora lutam pela liberdade do povo iraquiano. Alguma diferênça entre a verdade de ontem e a mentira de hoje? A verdade é bela. Sem dúvida. E assim são as mentiras.
No entanto, I have a dream, today: há ameaças que só se aniquilem pela força ou pela credível ameaça do seu uso. Ponto.

"Are you afraid"?

MP-S disse...

A pergunta a fazer (sempre, a todos os instantes) e': quem beneficia (ganha, exncaixa, exulta, tripa) com as "ameacas" constantemente propangandeadas e sublinhadas (com a devida enfase, pois claro) por todo o bicho careta e por tudo o que e' lado?

(convem acrescentar que as "ameacas" nao podem ser de todo inofensivas, ate' porque se o fossem perdiam completa e absolutamente a credibilidadezinha)

Como dizia o outro:

O medo vai ter tudo
pernas
ambulancias
e o luxo blindado
de alguns automoveis

Vai ter olhos onde ninguem os veja
maozinhas cautelosas
enredos quase inocentes
ouvidos nao so' nas paredes
mas tambem no chao
no tecto
no murmurio dos esgotos
e talvez ate' (cautela!)
ouvidos nos teus ouvidos

O medo vai ter tudo
fantasmas na opera
sessoes continuas de espiritismo
milagres
cortejos
frases corajosas
meninas exemplares
seguras casas de penhor
maliciosas casas de passe
conferencias varias
congressos muitos
optimos empregos
poemas originais
e poemas como este
projectos altamente porcos
herois
(o medo vai ter herois!)
costureiras reais e irreais
operarios
(assim assim)
escriturarios
(muitos)
intelectuais
(o que se sabe)
a tua voz talvez
talvez a minha
com certeza a deles

Vai ter capitais
paises
suspeitas como toda a gente
muitissimos amigos
beijos
namorados esverdeados
amantes silenciosos
ardentes
e angustiados

Ah o medo vai ter tudo
tudo

(Penso no que o medo vai ter
e tenho medo
que e' justamente
o que o medo quer)

*

O medo vai ter tudo
quase tudo
e cada um por seu caminho
havemos todos de chegar
quase todos
a ratos

Sim
a ratos.

Uncle Sam disse...

Ah Ah Ah
Ó anónimo isso é para nos comover?
Os americanos viram a Europa ser submergida pelo perigo nazista e zás, vieram como superhomens a livrar-nos? Ou foi quando viram o seu negócio ameaçado?
Que eu saiba nunca se preocuparam com o Iraque até o Saddam lhes fazer um manguito! Isto é se o Saddam tivesse continuado a comprar americano, o Iraque coitadinho nunca seria libertado...

Acoral disse...

"americanos que livraram o mundo da ameaça nazista"

Dassss, para a tranformarem numa ameaça yanke-judaica... é o q é!!!!

Anónimo disse...

Caro Uncle Sam,
Não percebeu a ironia, possivelmente. Reconheço que nem sempre é perceptível. No entanto, quando comparo a verdade de ontem com a mentira de hoje, reporto-me ao mesmo objectivo. Ou seja, à eficácia das estratégicas aplicadas.
Tal como no passado, o pretexto para a modalidade intervencionista é sempre o mesmo: messiânico!
Porém a luta não é pela liberdade, nem tão pouco pela democracia, mas sim pela supremacia. Para prova-lo, basta reflectir sobre a rede de bases militares em todo o planeta. Onde chegam ficam. A contribuição dos 11/9, veio reforçar, ainda mais, a concretização do inigualável potencial bélico, recorrendo ao terrorismo para legitimar intervenções em qualquer parte do mundo.
Poderia enumerar, exaustivamente, a linguagem dupla (mentiras) desde a sua formação, mas perante as evidencias, não me parece necessário.

"Are you afraid"?

francisco mendes disse...

gostei de ler

o dragao esta a evoluir

bem haja!!!!!!