quarta-feira, junho 13, 2007

Carne para Frankenstein


Vá lá, seja filantrópico: já doou sangue? Doe também o seu cadáver. E à hora da morte, já sabe, entregue a alma a Deus e o corpo à ciência. Se bem que, entre torturado pelos cornúpetos infernais ou dissecado pelos estudantes de medicina, quer dizer, entre as profundezas e as (nov)altezas, venha o diabo e escolha.

Mas não termina aqui. Falta a melhor parte:
O que nos permite compreender, entre outras coisas, a formosa gesta dos psicopatas particularmente carniceiros, ou dos verdugos profissionais de todas as épocas. Na verdade, a nada mais aspiram do que a humanizarem-se. E com tal fervor, com tanta sofreguidão, que nem esperam que o paciente morra.
Aliás, não deve ser por acaso que durante séculos se constituíram como principais abastecedores - imaginem de quem, isso mesmo: dos estudantes de medicina.
Pois é, iam directos, os presuntos, do patíbulo para a sala de anatomia. Agora vão ter que comprá-los à China. É a globalização.


PS: Quanto àquela parte em que o Barbosa crocita que «em todo o processo inerente ao uso de corpos para estudo ou investigação, os médicos, cientistas e estudantes de medicina têm a máxima consideração pela dignidade pessoal e social do falecido e dos seus familiares», sinceramente, o melhor é eu nem comentar isto. Com todo a respeito e máxima consideração pelo Barbosa, era abrir-lhe o crânio com uma serra eléctrica e enfiar lá dentro dois pingos de bom senso. De outra maneira, está mais que visto, não é possível.

4 comentários:

A.H. disse...

E que tal se o Barbosa desse o exemplo oferecendo o seu e os da sua família?

O melhor é irem compra-los à china, pelo menos aí a concorrência desleal não nos será prejudicial, antes pelo contrário, humanizará os nossos "excelentes" futuros médicos.

FMS disse...

Aproveito para te dizer que graças ao teu livro abri uma clareira no Metro, ontem, ao soltar um gargalhar licantrópico de tal magnitude que o panteão nórdico corou e meteu os tomates de lado :D

dragão disse...

Vê lá se ainda te prendem por terrorismo!... :O)

Dunyazade disse...

Da próxima vez que fores tratado no médico por um tipo que nunca trabalhou com cadaveres - depois nao te queixes se saires de lá pior do que tinhas entrado. A funçao é essa: aprenderem nos mortos para nao estarem a aprender (e a errar, errar, errar) nos vivos.