quarta-feira, março 07, 2007

O Bordel e o púlpito

O Departamento de Estado norte-americano, numa daquelas manifestações de zelo humanitário mundialmente famosas, elaborou um daqueles relatórios angélicos em que "aponta críticas a Portugal, nomeadamente abusos das forças de segurança, más condições das cadeias, recurso excessivo da prisão preventiva e tráfico de mão-de-obra estrangeira e de mulheres".
Convenhamos, tem a sua graça. Tem até muita graça, se é que não é para rir a bandeiras despregadas.
Não que, eventualmente, alguns desses fenómenos não sucedam por estas bandas. Penso mesmo que ocorrem à escala mundial e vão de vento em popa. Só que a maior parte do tempo, assomos folclóricos como estes à parte, dão-lhe outro nome (bem mais pomposo e benigno, por sinal): "globalização". Ou "luta contra o terrorismo". Não, o que é mesmo pândego é ver os americanos armados em guardiões da moral e dos bons costumes nestas matérias. Nestas, de resto, como em todas. Há que dizê-lo com frontalidade: é como assistir à rameira-mor arvorada em paladina austera da casta virtude. Como se trocando, por breves instantes, o cinto de ligas pelo de castidade lhe devolvesse, intacto e impoluto, o esfarrapadíssimo hímen. E o trono do bordel virasse púlpito.


PS: Vá lá, para variar, o governo português teve uma resposta minimamente vertebrada. Louve-se. Nestes tempos de escassez extrema, até uma espinhazinha sabe a gloriosa coluna.

3 comentários:

F. Santos disse...

Realmente as nossas prisões ao pé de Abu Ghraib e de Guantánamo devem parecer um hotel de 5 estrelas.

zazie disse...

Pois foi, responderam-lhes bem

timshel disse...

"até uma espinhazinha sabe a gloriosa coluna"

looool