terça-feira, dezembro 18, 2007

A Questão fundamental

Condição essencial a qualquer ser vivo, ou meio morto, ou meio vivo-meio morto, é o seu lugar de origem. O meu é Portugal. Sou um dragão made in Portugal. Genuí­no português... para a pobreza e a riqueza, na tristeza e na alegria, até que a morte nos separe! Ora, se este não é um belo assunto, então não sei o que será um belo assunto! Então, vejamos: qual é a caracterí­stica mais forte do português?... Esperteza saloia, mesquinhez, balbúrdia, burrocracia, inveja, superficialidade, bacoquismo, futebolite, hipocrisia?... É certo que estas abundam, mas serão realmente o vértice?... Não restam dúvidas que o português adora falar ao telemóvel e guiar o automóvel (de preferência as duas em simultâneo), mas quanto a mim há algo que ainda supera estas delí­cias e o deixa, mais que derretido, babado... Não adivinham? Eu digo: Mirar. Pois, mirar e remirar com a maior das gulas. O português não come com os olhos, empanturra-se. E não há dispepsia que o aflija: digere tudo! É uma gibóia insaciável, uma anaconda voraz. Mas nada de voyeurismos ou espreitadelas subtis, de soslaio, como quem não quer a coisa. O verniz não lhe quadra... gosta mesmo é de plantar-se defronte dos acontecimentos, das coisas e, sobretudo, dos desastres, das cenas degradantes e empanzinar-se, tirar a barriga de misérias, ou melhor, enchê-la! Não se pode exigir aos portugueses que apaguem incêndios, quando, na verdade, o que eles gostam mesmo é de vê-los, apreciá-los, na sua beleza feérica, catastrófica (e quem sou eu, dragão, para os criticar nesse caso especí­fico...)
Diante da própria casa a arder, o português deve ser único no mundo a experimentar sentimentos contraditórios: por um lado "ai que desgraça!,minha rica casinha!..."; por outro, "compõe-te mulher, vêm ali os senhores do telejornal!..."
Da mesma forma, é absurdo incitá-los a que se levantem da desgraça, da miséria mental e fí­sica em que vivem, qual país prostrado, rastejante, mendigabundo, quando, acima de tudo, o que eles mais gostam é de contemplar misérias, desgraças, ignomí­nias, hecatombes, nem que sejam as suas! Aliás, sobretudo as suas!... Para que quereriam eles um paí­s organizado, seguro, planificado, ordeiro: só se fosse para morrerem de tédio! Tanto mais, que nenhum sarrabulho lhes chega, nenhuma confusão lhes basta: mergulhados numa babel monumental, eis que anseiam emigrar para as áfricas ou brasis, só porque sonham que aí a balbúrdia ainda é maior!... E é, graças a Deus!...
O caso dos acidentes aparatosos e sanguinolentos (ou melhor será dizer, massacres?) nas auto-estradas serve de modelo alegórico... Quem já não assistiu às tripas do semelhante em exposição gongórica nestas galerias? E as filas de basbaques que logo se formam? E os desastres subsequentes, como que por simpatia (por simpatia mesmo) que, regra geral, se encadeiam? A malta a ver, a absorver morbidamente, com volúpia... a assistir, a esquadrinhar, a pesquisar, à cata de minúcias e detalhes, quanto mais escabrosos, sórdidos e repugnantes, melhor! Uma corja, sem dúvida. O português conforta-se na sua própria repugnância, engrandece-se e regozija-se na proporção directa da desgraça alheia. O seu bem, a sua sorte, só são reconhecí­veis, assinaláveis a partir da desgraça e do azar dos outros. Puta de gente! E eu, apesar de dragão, sou um deles. Ninguém escapa: vem com o Tejo, os sobreiros, o azul único do céu e tudo o que faz com que este lugar seja este e não outro. Os gregos chamavam-lhe "moira"; nós chamamos-lhe "destino".
Não deixa de ser irónico: os portugueses embasbacados diante de misérias e desgraças, e eu embasbacado diante deles e de mim próprio (ou sejam, outras misérias e desgraças que tais)...
Mas felizmente há o riso! e este meu dragoscópio, que dá para ver tudo e mais alguma coisa!...E que vejo eu, Dragão, nos portugueses, através do meu dragoscópio?...
- A desgraça que é ser português..., pensais vós...
Desgraça?! Não me fodam!, desgraça mesmo era ter nascido americano!...


- Foi assim, há quatro anos inteiros, que aqui o lança-chamas rompeu as hostilidades. Só se perderam as que caíram no chão.

18 comentários:

FSantos disse...

E nada como comemorar com um texto de forte inspiração céliniana!
Parabéns!

Anónimo disse...

Acho que os portugueses são bons é a ansiar. Bem ao menos rima...

ROFL

zazie disse...

Parabéns por este Dragoscópio que vale tudo o mais que possa existir na blogosfera, espaço sideral circundante (e só não digo nos jornais porque era insulto).

Longa vida ao Dragão e engenheiro Ildefonso Caguinchas.

a voz disse...

Longa Marcha ao Dragão e ao Engenheiro Ildefonso Caguinchas.
Uma efeméride a celebrar!

Obrigado pela Sua "Existência".

Abraço.
Mário

MP-S disse...

Parabens, o' Dragao! (cumprimentos pro' Caguinchas)

timshel disse...

o azul único do céu é verdade

mas esqueceste-te do principal: o tintol

o tintol da nossa terra é único

comparado com as barbaridades que se fazem por essa Europa fora

por exemplo, aquele que tem a fama de ser o melhor vinho do mundo, o vinho francês, é uma mixórdia legal de álcool, açúcar, aroma de vinho e algumas uvas para atestar da genuinidade do produto

e essas marteladas são todas legais, todas legais, França, Alemanha, etc.

(acho que em França existe uma excepção: a mixórdia tem que seguir uma determinada ordem cronológica, isto é o açúcar e o ácido não podem ser misturados juntos, isto é, o martelo tem as suas regras, das quais não consta que o vinho deve ser apenas feito de uvas)

as mixórdias, marteladas e outras aldrabices que adquirem legalmente o nome de vinho em muitos países da Europa deviam dar origem a um ultimato nos termos do qual se eles fazem vinho falsificado, Portugal devia ter o direito a imprimir os euros que quisesse até ser o país mais rico da Europa e do Mundo

se eles fazem vinho sem regras, porque é que não podemos fazer euros sem regras

ou o direito à falsificação é só uma prerrogativa de alguns?

desculpem este longo desabafo mas penso que tenho direito à indignação num tema tão sensível

Duarte Meira disse...

Caro Dragão:

Continue a afoguear os rabos de palha e a bem merecer todas as dragonas! Os leitores é que nos tiramos de saramargas misérias ao ler estas suas farpas redivivas de Ramlhos e Eças.

Bem haja.

(Mas não vá sem reparo que o nosso mirone brejeiro é um contemplativo mal educado, com aquelas potenciais qualidades de ad-miração que desataram a portentosa imaginativa criadora dum Fenão Mendes ou dum Camões.)

Duarte Meira disse...

Para os menos acostumados a etiquetas e sinaléticas militares, com "dragonas" quis significar os doirados galões que bem quadram nos ombros deste nosso escritor almirante. (Não se fosse melindrar a infatigável Zazie.)

Também soa melhor: Ramalho. Ramalho Ortigão.

Acoral disse...

Quatro anos de labaredas =;O)
Continue.

Anónimo disse...

Foda-se, acertou-me de raspão
Ò Dragão!
Há que treinar melhor os "Jabes" e ir mais para o corpo a corpo.
Mas isto nem sequer é um ringue c'um carago, é mais um...matadouro
Força dragão!

Legionário

Nosferatu disse...

Uau, que blogue impressionante!... Seu mauzão, bad boy, bad boy!
Este tem a mania que é gótico... ;)

takitali disse...

Que me acompanhe sempre, como até hoje, este super "special one" cibernético.
Difícil foi mostrar o BI à menina dos CTT, para que me entregasse a encomenda... Já ocupa o seu lugar entre os manuais de arte/técnico/científicos.
Um abraço com os votos de Boas Festas e melhores entradas.

Terpsichore E. M. disse...

Parabéns Dragão!
E o que diz o timshel aqui é absolutamente verdade. Acreditem de quem tem a experiência lá fora. Mas não é só os vinhos. É o mesmo nos queijos! É o mesmo nos azeites. É o mesmo nos frutos, etc. É o mesmo em todos os produtos naturais da nossa Terra. Sempre fomos um País cuja característica era a exclusividade e a qualidade, já no tempo dos Romanos. E essa - e não a quantidade nem concorrer com o que os outros já têm, era a nossa riqueza e sobrevivência.

Até na CONSTRUÇÃO, é o mesmo fenómeno! Nas árvores que temos.
E na cultura também.

Terpsichore E. M. disse...

E na Língua, BTW.

Estão lembrados da petição? Divulguem a petição contra o acordo ortográfico.
Não concordas Lança-Chamas?

Gosto muito da mudança de nome, caro.

Feliz Natal e cumprimentos

JSM disse...

Soaram trombetas, li nos editais, procurei nas estrelas, uma das mais brilhantes lançava cometas, e linguas de fogo, não há que enganar, o Dragão festeja qualquer coisa! Arredio, na minha caverna, estou de visita para lhe dar os parabéns.
Um abraço.
JSM - Interregno.

A.H. disse...

Olé, 1460 dias de incêndios quase ininterruptos. É obra!
Felicitações.

Pois que venham outros tantos e cada vez mais incendiários.

Napallmmmm!...


Quanto aos protogueses, só lá vão mesmo é com porrada e mesmo assim não sei!

Elypse disse...

Se a gibóia mudar de pele até pode ser que se transforme numa jibóia...

Mesmo de braço partido, fica um abraço

Breve ode ao português (ao bom)

o bom português
não se escusa à virgem maria no "tablier"
ou à ferradura no pára-choques como sinal de fé

o bom português
não prescinde da unha comprida,
do dedo mindinho, para coçar o nariz
nem de uma procissão política como salvação

oh bom português!
tudo farei por ti, acredita
até mesmo este emprestar de dentes,
que não tenho, para que não te falte o sorriso

César David Sousa disse...

Não poderia deixar passar sem lhe dar também os mais sinceros parabéns!

Afinal, quatro anos a manter o nível a que já nos habituou não é para todos.

Que cá estejamos para contar muitos mais, digo eu!

(peço desculpas pelo atraso :) )