sexta-feira, dezembro 21, 2007

Auto-guilhotina ou haraquiri existencial, eis a questão

(Tenho uma resposta em dívida ao Camarada Psiquiatra Proletário e não gostaria que o ano acabasse sem que essa dívida ficasse saldada. O postal que se segue trata disso mesmo. Tinha ficado esquecido nos rascunhos e era pena.)

Camarada Psiquiatra Proletário,


Em resposta ao amável convite para presidir a não sei que rilhafoles revolucionário, começo por citar o camarada Cooper na sua obra vigorosamente delirante "A Gramática da Vida". Diz ele: «Em nome do orgasmo, que é o centro secreto da libertação, temos de realizar uma operação específica - temos de destruir os nossos pobres cérebros envenenados, decapitando-nos a nós próprios, o que, finalmente, nos levará de volta a uma vida perdida - e, depois, para a frente.»
E mais adiante, num delírio ainda mais galopante, o mesmo apóstolo da alucinação desenfreada proclama: «Temos de descobrir um ideal de orangotangos. (...) O orangotango é uma realidade permanentemente oculta dentro de nós. Temos de lançar para o mundo esse nosso interior oculto, através de um haraquiri existencial - e permanecermos vivos.»

Ora bem, camarada psiquiatra Proletário, antes duma qualquer decisão da minha parte, convém que alcancemos um consenso preliminar nesta questão fundamental: damos cabo dos nossos pobres cérebros envenenados através da auto-guilhotina com alçapão para uma vida perdida, ou através do haraquiri existencial com a ajuda do orangotango oculto?
Tudo isso em nome do orgasmo, naturalmente.

Parece-me que só depois desta problemática resolvida, poderemos avançar no Processo revolucionário em cuecas. Ou cueiros, para os mais juvenis. Mentalmente, como é evidente, quase todos.

Enquanto aguardamos douto parecer, aproveitamos para desejar um feliz natal e um próspero ânus novo.

César Dragão & Ildefonso Caguinchas

5 comentários:

Anónimo disse...

Sexo de surdo-mudo
Dois surdos-mudos se casaram. Durante a primeira semana do casamento, eles descobriram que eles era incapazes de se comunicarem na cama quando a luz estivesse apagada pois eles não enxergariam a linguagem dos sinais.
Depois de varias noites pensando em alguma solução, a esposa encontrou uma solução: "Querido", gesticula ela, "por que não fazemos alguns simples sinais? Por exemplo: a noite, se você quiser fazer sexo comigo, pegue meu seio esquerdo uma vez. Se você não quiser fazer sexo, pegue no meu seio direito uma vez." O marido acha uma grande ideia e gesticula de volta a esposa:
"Grande ideia! Agora se você quiser fazer sexo comigo, balance meu pénis uma vez. Se você não quiser fazer sexo, balance meu pénis 50 vezes!"

Um casal estava na lua-de-mel. Os dois muito nervosos, a moça diz que vai ao banheiro vestir algo mais confortável. No banheiro, se olhando no espelho ela pensa:
"Meu Deus, como é que eu vou contar a ele esse meu terrível segredo? Como é que eu explico esse bafo desgraçado que eu tenho?"
Enquanto isso , o rapaz na cama esperando por ela , também está pensando:
"Ai, meu Deus, como é que eu explico a ela esse meu segredo? Como é que vou contar pra ela que eu tenho um chulé de lascar?"
Ela sai do banheiro, deita-se ao lado do rapaz e começa a tentar se explicar.
Olha, antes de nós consumarmos nosso casamento eu queria de contar um segredo...
Já sei - interrompe o rapaz- você comeu minhas meias!

Joãozinho e Mariazinha, ambos com 5 anos, estão brincando de "mostra o seu primeiro que eu mostro o meu depois". Mariazinha, vendo a parte da anatomia de Joãozinho que ela não tem, pergunta:
- O que que é isso?
- Isso é meu pinto! - responde Joãozinho. Então Mariazinha comenta:
- O meu papai, ele tem dois desses. Um pequeno, que ele usa para fazer xixi e um outro grande, para escovar os dentes da empregada.

O camarada tinha uma fabrica de linguiça de burro. Vendia linguiça de burro como se fosse de porco. Quando resolveu se aposentar, levou o filho mais velho, que era meio idiota, para a fabrica, a fim de ensinar o oficio.
- Esta maquina e o seguinte, meu filho. Você bota o burro vivo deste lado, liga a maquina, ela mata o bicho, tritura, separa os ossos da carne, tempera e a linguiça já sai pronta do outro lado, entendeu?
- Entendi, pai, mas queria fazer uma pergunta. - Pergunte. Você não pode ter duvidas sobre o trabalho. - Não tem uma maquina que a gente coloca a linguiça aqui e sai um burro vivo não, pai? E o velho, perdendo a paciência: Tem sim, meu filho, a sua mãe!

Caso não volte, a todos, um Santo Natal.
Carlos

rl disse...

Bom Natal a todas as pessoas de bem!

acoral disse...

rl?

acoral

A.H. disse...

lol.


Tudo de Bom no tal solstício (de inverno)!

Anónimo disse...

Camarada Dragão

Iluminados pelo lema "O orangotango é uma realidade permanentemente oculta dentro de nós" caminharemos unidos até à luta final

Bem unidos façamos,
Nesta luta final,
Uma terra de loucos
A Internacional

secção portuguesa da VI Internacional