quinta-feira, dezembro 07, 2006

Tratamento de resíduos

Deviam organizar depósitos, nas câmaras municipais, como fazem para o cães e gatos vadios. Depois implementavam uma frota de furgões espaçosos, tripulados por funcionários determinados, severos, bem musculados, armados de redes e bastões entorpecentes. Esbirros compenetrados, todos eles. E jovens, naturalmente. Daqueles entusiastas do primeiro emprego.
Esquadrinhavam as ruas, as avenidas, os parques e jardins, e recolhiam os desempregados com mais de quarenta anos. Todos os que apanhassem sem coleira, ou sem trela, ou sem açaime, sem dono, ou sem brilho nos olhos e esperança na alma. Sobretudo descartados da indústria, ou do comércio, ou dos serviços. Do que fosse.
Uma vez no depósito, devidamente desparasitados, limpos, enfileirados, num recinto próprio, recatado, injectavam-lhes um veneno letal. Ou abatiam-nos a tiro. Só para diferenciá-los minimamente dos cães. Era mais humano.

6 comentários:

T-Regina disse...

Olá, Dragão. Um certo conto de 'Os Nove Amanhãs', do Isaac Asimov, diz-lhe alguma coisa? :) Saudações blogosáuricas.

dragão disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
dragão disse...

Creia, a cara amiga, que nunca li Asimov. Mas fico curioso.

T-Regina disse...

Creio sem qualquer hesitação, Dragão! :)) A semelhança que me evocou o que escreveu limita-se ao profundo sarcasmo desse olhar quanto à forma como, aos poucos, todos nos vamos dividindo higiénica, criteriosa e humanamente entre 'uns' e 'outros' :) Até loch.

Adas8 disse...

Bravo,Dragão!
8 linhas de texto que dizem mais que muitos compêndios...
A imagem tb não podia ser mais ilustrativa
Sempre a considerá-lo, ó Mestre!

Anónimo disse...

Mitra do C*aralho essas merdas de tirar ou criar a vida, sao com Deus
e nao casos de policia Caes e Gatos nao sao ostras, nem casacos , nem sapatos!