segunda-feira, dezembro 18, 2006

Ao retardador



«Florida e Califórnia suspendem execuções por injecção letal.»


Enquanto por cá se inauguram, nos Estados Unidos suspendem-se: as salas de chuto. Também chamadas "de injecção assistida".
É o costume: o obsoleto lá fora constitui inavariavelmente a última moda entre nós. As ideias chegam cá sempre com décadas de atraso e, para agravar a coisa, são sempre implementadas "ao ralenti". Uma tarefa que o Estado Americano despacha em 15 minutos, o Estado Português consegue prolongar por dez ou quinze anos, senão mais. É a diferença de postura em relação à agonia: enquanto uns se propõem abreviá-la, outros tratam de favorecê-la e assisti-la.

3 comentários:

A.H. disse...

Não será bem 15 minutos, mas mais para os 30.

E o pior é que no estado português os "condenados" têm uma culpa incomparavelmente menor, mas acabam por sofrer mais.

Arrebenta disse...

Que maldade tão grande... :-)

JSM disse...

E as bestas têm nome. Estão nos partidos políticos, os Vitalinos, as Elsas, os blocos seja de que calhau forem, os sonsos do PCP, os modernaços do PSD, que são contra mas votam a favor. São todos ou quase todos, e agora lembrei-me daquela periquita que um dia se levantou solene e disse: não me lembro, mas era um disparate!
O nosso relógio está sempre atrasado em relação ao resto do mundo. Para as coisas boas, é mau. Para as coisas más, é bom. Vá lá a gente entender-se.
Um abraço.