segunda-feira, outubro 10, 2005

A Lady Di do Minho

A Fátima Felgueiras, espécie de Lady Di do lugar homónimo, está ali, na televisão, em apoteose, a ralhar com a pátria. Connosco, gente de pouca fé. Enquanto não parte, em tournée, a devolver a luz a cegos, a marcha a paralíticos e a saúde a leprosos, do alto do olimpo, não se contenta de posar laureada: transige em pregar-nos moral, digna-se aspergir-nos com um sermão edificante. Para assombro dos incréus e galhofa dos vindouros, graças ao milagre da multiplicação dos votos, o patíbulo virou pódio, e o pódio deveio púlpito.
Há-de haver muito boa gente escandalizada, rilhando dentes, fincando unhas, rosnando, quiçá, impropérios. Lamento, mas não é o meu caso. Por mim, tento ver a coisa pelo lado positivo. Contemplo toda esta choldra infinita e agradeço humildemente a Deus Nosso Senhor que ela se tenha contentado em concorrer a uma mera Câmara Municipal e não à Presidência da República.

2 comentários:

Anónimo disse...

Que mais te posso dar?
Que mais queres tu de mim!?...
... ...
Como é que se escreve Odetttte?

António disse...

O que mais escandaliza - se escândalo ainda é possível... - é a atenção das TVs. A maria da Graça de Felgueiras teve mais tempod e Antena do que Sócrates, Marques Mendes, Carrilho, Rio, etc.

Dizem-me que é o interesse público. Eu respondo que é o sistema.