quarta-feira, outubro 19, 2005

Aurea mediocritas

«São pouco viris, e por isso as suas mulheres se virilizam. Pois só aquele que é suficientemente viril pode libertar a feminilidade na mulher.
E eis a pior hipocrisia que jamais encontrei entre eles: mesmo aqueles que comandam simulam as virtudes dos que obedecem. (...)
A virtude, para eles, é o que torna modesto e dócil: assim, fazem do lobo um cão, e do homem o melhor animal doméstico do homem.
"Instalámo-nos no justo meio termo" - eis o que me diz o seu esgar de satisfação - "a igual distância entre o gladiador moribundo e o porco refocilando no seu prazer".
Mas isto é mediocridade, mesmo quando se lhe chama justo meio termo.»

- Nietzsche, "Assim Falava Zaratustra"

14 comentários:

MP disse...

O Nietzsche é o 'maior' :)

FCS disse...

No entanto, não há identidade nenhuma entre "justo meio termo" e "mediocridade". A ideia do justo meio termo está antes intimamente ligada com o simbolismo do centro, do equilíbrio e da justiça. A "mediocridade", na mesma ordem de ideias, está antes colocada sobre a circunferência, ou seja, o ponto mais afectado pelas contingências e pelo devir.

timshel disse...

sou juiz em causa própria e portanto suspeito

mas tenho uma enorme simpatia pela mediocridade

dragão disse...

Caro FCS, a "justa medida" aristotélica da virtude (enquanto nem defeito, nem excesso) não tem correspondente na "meio termo" latino, nem no que daí decorreu.
Julgo que o Nietzsche se refer ao segundo, sobretudo às sequelas do seu tempo que, infelizmente, é também o nosso.
Com muita pena minha, não é a ética de Aristóteles a que se pratica neste nosso tempo. Vá falar em aristocracia (mesmo do espírito) aí à turba e vai ver a algazarra em que se mete.

dragão disse...

Então, ó Timshel, vives no melhor dos mundos. Portanto, não sejas hipócrita: em vez de críticas, canta hinos.

zazie disse...

porque é que o Tim não desenvolve a ideia. Ele lá deve saber do que está a falar...

acho que já andamos à volta destas coisas há uns tempos atrás.

Não lhe chamaria mediocridade mas o heroísmo nela. O herói das pequenas coisas vulgares, que se limita a carregar o fardo.

Era isto, Tim?

timshel disse...

eheh, a santificação do quotidiano

acertaste em cheio zazie

zazie disse...

é pá quando precisares de representante para o quotidiano diz. Já fiz o trabalho para a outra cena do matrimónio ":O))))

zazie disse...

ahahaha não deixa de ser uma tarefa de porta-voz de uma certa banalidade mas enfim....

":O)))))

dragão disse...

Eu ao cu-otidiano não acho grande interesse. Aí, estou com o Caguinchas: Prefiro mesmo o cu da Jennifer Lopez.

zazie disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
zazie disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
zazie disse...

Ehehehe
eu também sou capaz de não lhe encontrar interesse e foi por isso que uma vez debati o assunto com o Tim

Defendia a ideia do bigger than life.
Mas já me arrumaram com o heroísmo do homem vulgar que tem a tal existência banal porque tem de cuidar de uma família, de ir á labuta, de se anular nessa pequena missão terrena de pequena responsabilidade. E que ainda sim pode sonhar-se herói de mil e uma coisas e aguentar o fardo alegremente.

No meio disto ia jurar que a mediocridade passa ao lado.

A mediocridade anda sempre aos pulinhos, anda sempre à boleia, bajula muito para conseguir umas migalhas. Olha, incha ":O))

Ao pé disso a santificação do quotidiano tira-lhe a máscara da soberba.

Roberto Iza Valdes disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.