segunda-feira, agosto 25, 2008

Anti-semitas pedidos

Já prosseguiremos, dentro em breve, com as coisas sérias, ou seja, com a genealogia desse excremento-mor da civilizacinha que é o intelectual. Antes disso, porém, e aproveitando, por um lado, a erupção intempestiva do Engenheiro-Arquitecto-e-agora-parece-que-também-Astrogramático Ildefonso Caguinchas, e por outro, o grotesco ressurgimento duma certa ratazana darwinóide (que nem distingue racista de anti-semita com hífen) em desova estival aqui pelas desvalidas caixas do estaminé, e a quem, desde já, no legítimo usufruto do providencial ensejo que me proporciona, quero mandar à grandessíssima e hiantíssima racha do esgoto que a pariu, com votos de boa viagem, feliz hanukkah e beijinhos à priminha, pois, dizia eu, e muito bem, seduzido por uma tal confluência de astros (ou melhor, dum astro e dum desastro), é, com todo o prazer, idêntico gozo e a maior das alacridades, que coloco à adivinhação pública a seguinte charada:
- Diga quem escreveu:

a) «Os sacerdotes são os inimigos mais malignos; porquê? Porque são os mais impotentes. A impotência faz crescer neles um ódio monstruoso, sinistro, intelectual e venenoso. Os grandes ressentidos, na história, foram sempre sacerdotes, e nada se pode comparar com o engenho que o sacerdote desenvolve na sua vingança.(...) Ponhamos o exemplo mais notável. Tudo o que na terra se fez contra os "nobres", os "poderosos", os "senhores", os "governantes" não se pode comparar com o que fizeram os judeus. Os judeus vingaram-se dos seus dominadores por uma radical mudança dos valores morais, isto é, com uma vingança essencialmente mental. Só um povo de sacerdotes podia obrar assim.»

b) « Com os judeus começou a emancipação dos escravos na moral, esta emancipação que tem já vinte séculos de história e que já hoje perdemos de vista por ter triunfado completamente.»

c)«Ao menos uma coisa é certa: é que com a sua vingança e transformação de valores, Israel triunfou sub hoc signo de todos os ideias mais nobres.»

d) « -" Mas para que falar de um ideal mais nobre? Inclinemo-nos ante os factos consumados: o povo é que venceu; os "escravos", o "populacho", o "rebanho", chamai-lhe como quiserdes, se é aos judeus que se deve, nunca povo algum teve missão histórica mais brilhante. Foram abolidos os amos, triunfou a moral do povo. Se disserdes que foi um veneno, foi um veneno salutar. A redenção do género humano está no bom caminho: tudo se judaíza, se cristianiza e se plebeíza a olhos vistos. O impulso é irresistível, o progresso incessante: poderá haver marchas e contramarchas, pressas e demoras, mas o tempo é muito... Tem ainda a Igreja alguma missão necessária? Tem ainda o direito à existência? Poderíamos passar sem ela? Queritur. Parece antes que atrasa a marcha, mas nisto consiste precisamente a sua utilidade. Há nela alguma coisa de grosseiro e de rústico que repugna às inteligências delicadas e aos gostos modernos. Não deveria polir-se alguma coisa? Hoje mais repele do que seduz. Qual de nós quereria ser livre-pensador se a Igreja não existisse? A Igreja repugna-nos, mas não o seu veneno. Tirai a Igreja e ainda saborearíamos o seu veneno..." - Tal foi o epílogo que fez ao neus discurso um livre-pensador, um honrado animal, e acima de tudo um democrata. Não pôde conter-se mais. Aqui devo calar-me.»

e)«Os dois valores opostos "bom e mau", "bem e mal", mantiveram durante milhares de anos um combate largo e terrível e ainda que, há muito tempo que o segundo valor logrou vantagem, não faltam ainda hoje terrenos onde a luta continua com vário êxito. (...) O símbolo desta luta, traçado em caracteres legíveis no cume da história da humanidade é "Roma contra Judeia, Judeia contra Roma".»

f) «Roma via no Judeu uma natureza oposta à sua, um antípoda monstruoso, "um ser convicto de ódio contra o género humano", e com razão, se é certo que a salvação e o futuro da humanidade consiste no domínio absoluto dos valores aristocráticos, dos valores romanos.»

g) «Os Romanos eram os fortes e os nobres, mais que todos os povos da terra; cada vestígio do seu domínio, a menos inscrição maravilha-nos e eleva-nos. Os judeus, pelo contrário, eram um povo levita e rancoroso por excelência, um povo que possuía um singular génio para a moral plebeia: basta comparar os judeus com os povos de carácter semelhante - como os chineses e os alemães -, para discernir qual é o da primeira ordem e qual é o da quinta ordem.»

h) «...esse movimento de ódio (alemão e inglês) fundamentalmente plebeu, que se chama a Reforma...»

i) «Num sentido ainda mais radical e decisivo, ganhou a Judeia outra nova vitória com a Revolução Francesa: então a última nobreza política que ainda subsistia na Europa, a dos séculos XVII e XVIII franceses, arruinou-se aos golpes do aluvião popular...»

Quem acertar mais de três alíneas ganha um prémio sumptuoso.

24 comentários:

Ruy disse...

Nietzsche?

Die krabbenlaus :) disse...

Para a Genealogia da Moral. Pelo menos grande parte deles.

Isto a ver se ainda recebo tão cobiçadas alvíssaras.

Dr.Agnóstico disse...

Não o sabia tão «adepto» de Roma :)

Há uns anos (está nos arquivos), neste mesmo blogue, fez considerações (sobre temática muito similar) nada abonatórias (passe o eufemismo) em relação aos romanos :/

Anti-dragomerdascópio disse...

A escumalha ficou tão ressentida que não se conteve em pôr um post.

Tamanha é a necedade destes desassisados e a cegueira decorrente da molestia mental que os acometem, que citam aleatoriamente trechos de alguns escritos de Nietzsche e esquecem de contemplar as idéias dele em conjunto, apenas para validar o seu racismo (sim, racismo!). Os textos citados têm autoria atribuída ao filósofo discutida e, ainda que se considere de outra forma, são anteriores à publicação de "Humano, Demasiado Humano", o que vem demonstrar a "evolução" das idéias dele e auto-revisão do que escreveu.

A próposito, adivinha quem escreveu isso: "Não vemos um leitor que leia todas as palavras. Em vez disso, tira, de vinte palavras, mais ou menos cinco, adivinhando o sentido que supostamente compete a essas cinco palavras. Estamos habituados a mentir, sendo mais artistas do que sabemos."

Na internet e bibliotecas, o que não faltam são artigos sobre o equívoco recorrente de se associar anti-semitismo com as idéias de Nietzsche.

Sem mais, helmintos.

Anónimo disse...

Não se preocupe Dragão : eu cá acho que com esta história da globalização vão ser expulsos do planeta. Há sempre um lado positivo nas maiores desgraças e eu meti na cabeça que é esse. De país em país , até à expulsão final. Toda a gente no mundo saberá quem são os donos dos bancos que os escravizam. E é extraordinário como alguns lhes vêm qualidades quando nada constroem e tudo comercializam e exploram.
Porra , nunca pensei vir a ser assim , anti qualquer coisa.

Pedro disse...

"Idéias", "próposito", "necedade", "molestia". Sem dúvida, um verdadeiro prurido anal este rapaz.

E, está visto, não apreendeu a boca do hífen. Que "erudissão", foda-se!

Espero que se fique pelo Nietzsche.

Anónimo disse...

ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ
ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ
ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ
ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ
ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ
ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ

Zyklon B disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Zyklon B disse...

"Idéias", "próposito", "necedade", "molestia". Sem dúvida, um verdadeiro prurido anal este rapaz.

E, está visto, não apreendeu a boca do hífen. Que "erudissão", foda-se!

Espero que se fique pelo Nietzsche.

Talvez você não seja inteligente o bastante para perceber que o português do Brasil é diferente do de Portugal.

Qualquer semi-analfabeto nota isso.

Vocâ não imagina quantos erros eu poderia apontar nos posts de vocês.

Além disso, num blog como esse, para uma pessoa que escreve rápido,não acho nada anormal cometer alguns erros de digitação.

Por fim, nao adianta espernearem que nós os Judeus já dominamos o mundo, aliás, já foi provado por diversas vezes que temos QI maior que dos portugueses.

Podem fazer milhões de blogs como este, nada vai adiantar...
Beijunda.

O Chato disse...

"Por fim, nao adianta espernearem que nós os Judeus já dominamos o mundo, aliás, já foi provado por diversas vezes que temos QI maior que dos portugueses."

Supimpa

Aqui este goyim "anti-semita" pensava que 'cê era anti-raicista cara. Com'é?

Anti-dragomerdascópio disse...

Pedro e outros simpatizantes deste dragomerdascópio,

A língua portuguesa não é meu idioma de berço. Por isso, pouco me importa os comentários sobre a escrita em português. Graças a Deus, não tive o azar de nascer em um país que fale a insignificante língua portuguesa, seja Portugal ou Brasil ou outro, sobretudo o primeiro. O pouco que sei desse irrelevante idioma se deve apenas por razão do meu emprego. E nem lido com portugueses, mas com outro país que fala o mesmo idioma. Fico admirado de ver um falante da língua portuguesa que nem se deu ao trabalho de verificar se a palavra "necedade" consta do dicionário e se o texto que critica não foi feito com base nas regras de outras nações que falam a língua portuguesa (mormente no que diz respeito à acentuação (idéias) e ao emprego do hífen).

Também devo avisar que não sou Judeu, mas admito uma ligação estreita com eles.

Portugal é cu da Europa e, pior, este cu está repleto de oxiúros, como os que povoam este blog (claro que há seres humanos que vivem neste país, mas é uma exceção à regra). Esta pocilga chamada Portugal está a apodrecer mais e a padecer com sua enfermidade anal, oxuriose que se tornou sistêmica e se alastrou até a massa encefálica da população. Esta Bullcrap não consegue ser auto-sustentável e depende da boa vontade dos outros países europeus para poder sustentar sua miserável existência. País de merda, povo de merda. Já existe há muitos séculos e continua na merda. Isso se deve à notória burrice de origem genética deste povo - conhecida no mundo inteiro.

Até a única colônia portuguesa que vingou, chamada Brasil, conseguiu superar aquela bosta de país no que toca ao desenvolvimento econômico, científico, industrial. E isso só aconteceu porque esse país foi colonizado, concomitantemente, por italianos, japoneses, judeus(!!!), alemães etc. Ainda assim, por causa do resquício da cultura portuguesa que infelizmente herdou, ainda enfrenta muitos problemas sociais.

Com um pouco mais de meio século de existência, Israel conseguiu se tornar melhor que Portumerda em todos os aspectos. Aliás, os judeus são melhores do que os portugueses em todos os aspectos. Bem sucedidos financeiramente, gênios nas ciências (por exemplo, Einstein e Bohr, só para ficar na física), enfim. Além do Saramago, qual foi o outro português a ganhar algum prêmio Nobel ou ter alguma relevância para a ciência e para a humanidade? Agora, comparecem-se aos judeus. Nem preciso descer a detalhes. Quantos célebres judeus já não foram agraciados com esse prêmio; há quantos gênios judeus em todos os países, em toda sorte de estudos, como física, química, medicina, direito, literatura etc? Isso porque não passam de 0,2% da população mundial.

Este deve ser o motivo de vocês, verminoses, estarem a se contorcer de inveja e ódio. É o que lhes faz roçar o cu freneticamente. Ainda há as picas que fodem esses cus e que acabaram contaminadas pelo mesmo mal. Estou a falar de outros europeus anti-semitas. Foi assim: começou pelo cu, depois se espalhou para os demais órgãos até a ascensão Nazi. Felizmente há europeus que tentaram e persistem em tentar curar a Europa deste mal, mas, pelo visto, o continente ainda não se convalesceu totalmente.

Por derradeiro, VÃO TOMAR NO CU, SEUS MERDAS, FILHOS DA PUTA, BANDO DE ESCROTOS. Fiquem a se contorcer de inveja e ódio.

Hasta la vista, hijos de puta.

mama eu quero disse...

Por derradeiro, VÃO TOMAR NO CU, SEUS MERDAS, FILHOS DA PUTA, BANDO DE ESCROTOS. Fiquem a se contorcer de inveja e ódio."

eheheh

Que o Dragão é anti-semita (e não só) do pior nota-se a cada parágrafo.

Que um Judeu, que parece do Brasil, tenha esse ódio pelos Portugueses também não é novidade para mim.

Eu vivi aí mais de 3 anos e quase todos os brasucas teimam em culpar Portugal por tudo o que de mau esse país tem. Curioso esse autismo.

É curioso também este cu da Europa não ter de estar mergulhado num contexto social tão fantástico como, por exemplo, São Paulo com as suas duas centenas de assassinatos por fim-de-semana.

Este cu cheira melhor que essa "flor".

Antidragomerdascópio disse...

mama eu quero,

Ao que parece, não sabes ler corretamente o que os outros escrevem. Não sou judeu tampouco sou brasileiro.

Se lhe apetece achar que é assim e queres deflagrar uma discussão com tema "BrasilvsPortugal", boa sorte. Estou a assistir de camarote. Será prazeroso ver os desacatos recíprocos. Mas convide alguns brasileiros para o debate.

ha ha ha..

Anónimo disse...

Nossa quanto violência os posts acima...rsrsrs.

Mas sim, para você O Chato:

"O Chato disse...

"Por fim, nao adianta espernearem que nós os Judeus já dominamos o mundo, aliás, já foi provado por diversas vezes que temos QI maior que dos portugueses."

Supimpa

Aqui este goyim "anti-semita" pensava que 'cê era anti-raicista cara. Com'é?"

Acho que você está me confundindo com o "anti-whatever", quando na verdade nós não somos a mesma pessoa.

Eu já tinha lido esse blog há algun tempo, mas não quis me dá ao trabalho de postar aqui, somente depois que este "anti-whatever" apareceu que pude ter o prazer de por "lenha na fogueira"!

Bom, ademais, sobre o fato de eu ser racista, é claro que sou, em nenhum momento neguei.

Se por um lado vocês são anti-semita eu sou anti-arianos!

beijunda.

Ah sim postei como anonimo porque nao estou conseguindo postar com meu nick, eu sou o Zyklon B

Pedro disse...

Ah, brasileiros. Outro que vos eduque.

Antidragomerdascópio disse...

Sobre os métodos de extermínio de judeus portugueses durante a ditadura salazarista, consta de alguns arquivos da Unesco o seguinte:

"Os cientistas do Partido foram os responsáveis pela morte de dezenas de judeus portugueses durante a segunda guerra, tudo graças a sua terrível invenção: a execução por gás. Uma tentativa de seguir os métodos dos alemães, mas que, ao que parece, os lusitanos não compreenderam muito bem.

O método consistia em enfileirar as vítimas e colocá-las uma de cada vez dentro de um cubículo onde, de uma posição superior, um soldado jogaria um botijão de gás, abalroando a vítima na direção vertical, causando o óbito. O botijão era em seguida recolocado na posição superior para ser utilizado na próxima execução. Este modo de execução enfrentou problemas devido às quedas constantes do botijão, o que acarretava rachaduras neste, levando finalmente ao fim do gás nele contido."

"Ó Gajo, por que paraste de jogar o butjão?"
Sargento sobre parada nas execuções.

"Ora, porque o gás acabou, opa!"
Cabo raso sobre Pergunta do Sargento.

Vítor disse...

Se somos tão maus e insignificantes, para quê dar-se ao trabalho?

O Chato disse...

Ó Dragão, você é cá um sortudo, vêm-lhe sempre bater à porta das mais exóticas animalárias. Como eu o invejo.

Zicoiso B, peço desculpa, pensei que fosse o outro, mas é-me ainda difícil distinguir a merda só pelo cheiro, espero não o ter ofendido ao dúvidar da sua coerência.

Só para ficarmos mais organizadinhos: você é o judeu tropical, o anti-coisas é o português pencudófilo com problemas de identidade. Certo?

Anónimo disse...

As caixas de comentários chegam por vezes a gerar maior gozo que as pescarias do Dragão. Contudo, devia existir um glossário catalogando todos os especímenes que habitam esta biosfera draconiana, isto começa a ficar demasiado confuso.

Esse tipo que clama pela progenitora não é um rapaz que apareceu por aqui na época da caça ao acólito da Ciência. É bom rapaz.

Por fim queria deixar uma palavra de apreço ao anti, que muito anima esta época estival geralmente muito mais morninha, os seus posts são sempre degustados com imenso deleite.

O Chato disse...

O de cima era o chato que falava e lhe faltou um "?" procedendo "da Ciência".

Antidragoscópio disse...

Eis que surge em cena um autodenominado piolho do púbis para dizer que os outros são "exóticas animalárias". Curioso como esses seres vêem nos outros a própria imagem.

É o que se pode chamar de a conspiração dos parasitas. De um lado, os oxiúros, de outro, o inseto phthiraptera.

Felizmente, temos Zyklon B aqui para eliminar essas pragas.

E ainda estou a aguardar que os vermes e insetos tentem refutar a superioridade judaica sobre os helminto-lusitano-anti-semitas e afins.

"devia existir um glossário catalogando todos os especímenes que habitam esta biosfera draconiana". Sabe-se, ao menos, que há dois tipos por enquanto, ambos são parasitas: vermes megalomaníacos, um deles se autodenomina "Dragão", e os piolhos.

Anónimo disse...

Pois. É só esperar que poisem...

“... SEUS MERDAS, FILHOS DA PUTA, BANDO DE ESCROTOS. ...” 4:48 PM

“Curioso como esses seres vêem nos outros a própria imagem.” 11:13 PM

... lá se foi a superior inteligência...
Carlos

Die Krabbenlaus disse...

Estimado anti, quanto a parasitismo não precisa de me dar aulas, nessa arte sou mestre e sei-o bem.
Porém, se, vos contemplando, e tendo em conta o meu local de parasitagem predilecto, distingo algo semelhante a um insecto creio estar esse fenómeno relacionado menos com o da reflexão luminosa do que com uma qualquer falha fisiológica da sua parte. Falha essa que por sua vez se reflecte, lá está, no seu carácter.

Afinal o que é que lhe dói? Qual é a sua comichão?

Depois não tem graça nenhuma você vir para aqui fazer uns números sabendo muito bem quem nós somos se não dizer o que é. O vácuo? Assim não é justo, não temos para onde ripostar e nós adoramos ripostar...

E se lhe chamei exótica animalária não se devia sentir injuriado. Não é todos os dias que por este ou outro estaminé passam personagens tão crocantes por fora e tenrinhos por dentro, normalmente ou são completamente flácidos e enjoativos ou demasiado secos e quitinosos. Sem dúvida que o Dragão estará imensamente agradecido a YHWH.

Antidragomerdascópio disse...

"Pois. É só esperar que poisem...

“... SEUS MERDAS, FILHOS DA PUTA, BANDO DE ESCROTOS. ...” 4:48 PM

“Curioso como esses seres vêem nos outros a própria imagem.” 11:13 PM

... lá se foi a superior inteligência...
Carlos"

Quanta falta de criatividade. Perguto: por acaso me arroguei alguma inteligência superior? Estava me referir aos judeus.

------------------------------------

Estimado Dragão ou Piolho ou Die Krabbenlaus (ao que se vislumbra uma tentativa da heteronímia pessoana, porém frustada. Abro espaço para saudar o brilhantismo daquele poeta, que, pelo que sei, tinha ascendência judaica(explicado, pois, o gênio), e não se deve confundi-lo, não obstante a mesma nacionalidade, com os demais seres rastejantes que emporcalham este país),

O que me incomoda é o ódio irracional de vocês contra os judeus e todos os outros grupos étnicos.

Sobre essa questão é interessentar ver a tentativa de vocês, lusitanos, quererem se encauxilhar no meio dos arianos nazistas, como se estes realmente os estimassem como pertecentes ao mesmo grupo. Duvido. Portugueses nazistas é uma piada.

Ademais, por enquanto só me é conveniente revelar que sou o ANTIDRAGOMERDASCÓPIO.

Sem mais. Continuem a conspirar no novoeiro, ainda que saibam que não resolverá o problema de vocês.