quinta-feira, abril 09, 2015

Acromiomancia Revisitada - XV. Escola de Borregos




«Os cravos do 25 de Abril, que muitos, candidamente, tomaram por símbolo de uma Primavera, fanaram-se sobre um monte de esterco.»
- António José Saraiva


A pré-história deste contagioso movimento - o borreguismo - remonta ao Infante D.Pedro, uma ejaculação infeliz dum rei inglório. Despejo, esse, mais tarde transformado em catástrofe, mediante  a nomeação do aborto ambulante para  príncipe Regente do Brasil.  Imbuído -melhor dizendo, toldado pela vesânia da espécie, em vez de reger em nome de Portugal, como lhe competia, improvisou fazer do Brasil o seu próprio Império. Primeiro traço característico do borregante: uma desmesura narcísica típica das adolescências estagnadas e hipertofiadas. Donde borbota um ego alçado a estrela orientadora do universo. Ao mesmo tempo, ressalta o expediente motriz da tara: a borreguice transparece sempre mascarada de adesão. Em vez de defender os interesses de Portugal, o Infante adere ao espasmos do  Brasil.
Vamos reencontrar estes exactos sinais perfeitamente geminados e replicados nos  capitães do MFA, século e meio adiante. Enviados a África para combater o terrorismo mascarado de movimentos de libertação, que fazem eles? Não apenas se furtam de combatê-lo, como, em conjura torpe, se transformam, eles próprios, num "movimento de libertação" terrorista, derrubando o seu próprio governo, traindo o seu próprio povo e entregando metrópole junto com colónias ao neo-colonialismo de arribação. 
Mas tornemos à ordem cronológica.
O segundo episódio ocorre por  alturas da implantação da república - embora "transplantação" seja o termo mais indicado para definir a peripécia. Não só os defensores da Monarquia, em número superior ao desejável, borregam melancolicamente, como uma das figuras de proa dos revolucionários, o Almirante Reis, auto-acagaçado por crença súbita em ventania adversa (e também pela sua bipolaridade), dispara sobre si próprio, borregando, assim, com fragor anedótico. Ainda hoje, uma das maiores e mais emblemáticas avenidas de Lisboa homenageia esse feito de armas (só equiparável, em matéria de lucro colectivo, ao tiro como que o doente mental  do hospital de Rilhafoles, naquele mesmo dia, abateu o preclaro Dr. Miguel Bombarda, baluarte civil da golpada). Na verdade, ainda hoje, a história se interroga como é que, depois da grande maioria dos militares contratados com a conjura ter borregado, foi possível o triunfo peregrino do bananal republicoiso. Mas enquanto ela assim se entrega à reflexão, avancemos para o episódio inaugural propriamente dito.
De facto, o borregguismo fulminante  (e fulgurante) principia, de pleno direito,  com a queda da Índia Portuguesa, em 1961. Fiados na desproporção brutal de forças a seu favor, os Indianos roncam e ameaçam às portas de Goa. Salazar, como era seu péssimo hábito contra-cultural, não borrega. Mais: ordena que ninguém borregue, é preciso ganhar tempo (pobre ingénuo!). Ao mesmo tempo, tenta negociar com os chineses: reconhecimento internacional da República Popular da China e concessão de base no território português da Índia a troco de pressão da grossa sobre os indianos. Jogo arriscado mas audaz: caso os chineses aceitem, os americanos, para obstar, terão que intervir e garantir, por seu lado, veto ao atropelo iminente. Salazar envia um telegrama dramático a Vassalo da Silva onde expõe, com crueza e clareza, a necessidade imperiosa que há em ganhar tempo. Não se trata de combater até à morte, trata-se de combater o mais possível, de modo a demorar o desenlace, permitindo, em esforço contra-relógio,  o resgate diplomático. Mas ordenar que não borregue a um tipo chamado Vassalo é como pedir a um tetraplégico que corra,  ou a um impotente mental que conceba. Na hora da invasão, o borreganço, com a honrosa excepção de Damão e meia dúzia de bravos, foi quase geral. 
Mas um borrego, como qualquer outro (ani)mal, nunca vem só, Nova eclosão apoteótica acontece em 25 de Abril de 1974. Enventualmente contaminado pelo exemplo fascinante de Vassalo, Marcello borrega com todas as suas forças, arrastando consigo um regime desprevenido e vários povos avulsos.  Se em matéria de micção, um português arrasta dois ou três, em se tratando de borregar, pior um pouco: um arrasta quatro ou cinco...milhões.
Parcos meses depois, é o próprio Spínola que borrega com idêntica gulodice.  Zonzo e azucrinado por meses na presidência dum hospício a céu aberto e no descomando esquizofrénico de tropa fandanga em digressão carnavalesca, não resiste à vertigem e bate com a porta. Para logo mais adiante, de monóculo entre pernas, saltar a fronteira, indo borregar pró estrangeiro.
Entretanto, no próprio batalhão de Comandos, na Amadora, a maleita manifesta-se.  Confrontado por uma maioria momentânea de oficiais em ímpetos saneadores, também Jaime Neves  (custa-me até dizer isto...) borrega. É verdade, borrega, tacticamente. Vários graduados pouco entusiastas com a revolução são saneados. Jaime Neves, irritado, condescende; e aguarda por melhores dias. Que virão, é um facto; embora tarde de mais no que concerne ao essencial. E novamente Jaime Neves semi-borregará. Quando não levar a missão até ao fim.
Dir-se-ia que as forças revolucinhárias, após tão amplas, fortuitas e numerosas conquistas, tinham a parada ganha, mais a faca e o queijo. Seria menosprezar estultamente a vertigem borreguista que assola, desde a medula  até à raiz dos cabelos, o burgesso portugalinhóide. Fantasie-se ele em que banda ou bando for. Sobretodos impera o bandulho; e o sentimento das vísceras é, de facto, quem mais ordena.
25 de Novembro de 1975. Finalmente, tarde e a más horas, a única tropa operacional do rectângulo decide-se acordar da longa letargia. Acabou a descolonização-à-vela, pelo que há luz verde para acabar com o granel. Uma aragem murmura de feição. Todavia, a maioria das forças alista-se do lado do processo revolucinhário. Basta que o crocaudilllo vermelho, Otelo de Carvalho, faça cintilar  o seu carisma castrense (no sentido caribenho da palavra, bem entendido). Mas Otelo... aqui dou a palavra a um dos seus apaniguados mais emblemáticos, Diniz de Almeida, o Che daquela revolucinha (para que não digam que achincalho ou efabulo):

«Preocupado e com a percepção de que era agora nos bastidores que se jogava a sorte da Revolução, telefonei ao COPCON.
«O Otelo ainda não veio!", respondeu alguém.
E perante a minha estranheza, aquele desculpar-se-á:
"O que é que tu queres? Ele é assim... nós pedimos-lhe para não abandonar o COPCON mas ele insistiu que queria ir dormir, e nós não pudémos impedi-lo de ir..."
(...)
Apresentei-me no COPCON ainda de manhã e pouco depois de haver telefonado.
O ambiente de manifesta desmobilização que ali se respirava, agravou ainda mais a minha consciência de perigo evidente.
Perguntei uma vez mais por Otelo.
"Ainda não veio, está a dormir", respondeu, igualmente preocupado, alguém.
"Já telefonámos lá para casa a chamá-lo e ele mandou dizer para não o incomodarem que quer descansar", volveram..»
                     - Diniz de Almeida,  "Ascensão, Apogeu e Queda do MFA, Vol.II"


Pois, na hora H, quando o império da revolução estava em jogo, que faz então Otelo? O mesmo que Marcello, nem mais: borrega. Mansamente. As tropas, entre hirsutas e desataviadas, aguardam ordens; Diniz de Almeida exaspera. No Ralis, a soldadesca leninada quer sair a combater os "Comandos". "Agarrem-me senão desgraço-me!", pressente-se (e vocifera-se em surdina!) a cada esquina. Mas o comandante da unidade, Leal de Almeida também borrega. Como tinha borregado anos antes na antecâmara da "Operação Mar Verde". E faz como Otelo, vai dormir. Otelo que, entretanto, borrega ao ralenti. Fica o bravo Diniz, Ché abandonado, Hamlet de Sacavém: "borrego ou não borrego, eis a questinha!"...Sozinho, a aguardar ordens de Godot. Que não chegam. O que chega é a ordem de prisão emanada de Costa Gomes. E o bravo Diniz lá vai, no seu próprio carro, apresentar-se ao cárcere. Borrega em ordem. Há toda uma Goa longínqua a verberar nele. Saldo final:  Tudo bem somado, a revolução de rilhafoles socumbe à mosca tsé-tsé.

Aqui chegados, mais que uma suspeição forte, invade-nos a percepção  clara de que o borreguismo não é apenas um movimento: é aquilo que acciona o movimento... E é também um paradoxo, já que se trata dum movimento estático, e extático. Poderíamos falar, assim, duma força motriz do carácter portugalinhóide, não fôra dar-se o caso singular do carácter portugalinhóide consistir numa paralisia aguda plasmada numa catalepsia súbita de todos e quaisquer princípios, instintos ou preceitos activos em prol dum  assomo (mínimo que seja) de dignidade, destemor, ou, vá lá, honra. Mas há ainda outro sentimento que, sobretodos, congela o borreguista. RESPONSABILIDADE. Na crise, guerra, bernarda, polémica ou o que seja, o portugalinhóide  adquire a posição de estátua camaleónica para que a responsabilidade - a temida e horrenda responsabilidade a passar! - não o detecte, não o descubra, não o aponte. Agora imaginem juntas ou confluentes as suas duas fobias supremas: a "responsabilidade" e o "derramamento de sangue"!...

Falta apenas o corolário actual da saga frouxa...A destilação última do alambique...
É mentalmente que o portugalinhóide hodierno mais sente volúpia em borregar. Com retroactivos e retroversões.
Muitos anos depois de borregar no terreno,  estima de borregar no pensamento. Borrega em solidariedade. O borreganço antepassado não o enoja, não o repugna, nem, muito menos, o incomoda. Pelo contrário, inspira-o. Justifica-o. Convoca-o a alistar-se no desânimo. Compenetra-o da resignação ufana. O que outrora foi cobardia, pusilanimidade, ignávia, infãmia, agora é realismo, cálculo matemático, mandamento, finura e perspicácia.
Pior que impossível, qualquer outra alternativa: Impensável, sequer!
Mas não admira.
Para uma barata tonta, o homem, mais que espécie incognoscível numa galáxia longínqua, constitui uma utopia.



PS: Apesar de tudo, o borreguismo incial (de Goa) é ainda rudimentar se comparado ao surtos dos anos 70. 

17 comentários:

josé disse...

Continuas a dar na mula...mas ela não foge, podes estar certo.

E escouceará porque é teimosa.A ideia que não o género...

Ia aplaudir mas ao ler o final guardei as palmas para melhor ocasião.

O Marcello não borregou nada. Só borrega quem pode fazer diferente do que faz. Quem tem liberdade de escolha.
E não foi o caso.

zazie disse...

"borrego ou não borrego eis a questinha"
e o crocaudillo vermelho

AHAHAHAHAH

Isto está delicioso.

zazie disse...

ahahaha

Isto está de se chorar a rir.

A República foi mesmo assim- uma anedota de um golpe que até venceu sem os que o fizeram soubessem

":O)))))

E o Spínola "Para logo mais adiante, de monóculo entre pernas, saltar a fronteira, indo borregar pró estrangeiro"

":o)))))))

Vivendi disse...

Clap Clap!

Isto é que é a Alta Cultura.

inphinitorumdotcom disse...

Em boa verdade confesso, que também eu estava a dormir para o assunto.

Por isso grato, mestre Draco!

Anónimo disse...

"Fica o bravo Diniz, Ché abandonado, Hamlet de Sacavém: "borrego ou não borrego, eis a questinha!"...Sozinho, a aguardar ordens de Godot. Que não chegam."

Isto é espectacular. Há muito tempo que não me ria tanto!
Dário

zazie disse...

O Hamlet de Sacavém só do Dragão.

E é para ficar

":O))))))

zazie disse...

E o Otelo a borregar ao ralenti porque deu em dormir sobre o assunto.

ahahahahaha

Realmente há coisas que só mesmo entre portugueses.

A barriguita, a barriguita fala sempre mais alto.

":O)))))))

muja disse...

Eu cá não sabia que as negociações com os chineses eram para isso.

lusitânea disse...

O Homem Novo que vai sair da raça mista em feitura principalmente da cintura preta de Lisboa que outrora foi cintura industrial vai ser a salvação quando começar a pastorear os borregos todos do Minho ao Algarve(que é o que se pode arranjar)
Já em tempos houve aquela ideia de muitos pastores para que não houvesse mais incêndios.Mas como não tinham ainda o 12º ano...

lusitânea disse...

Borreguismo nunca mais.Até porque os goeses já vieram todos, boa parte dos cabo-verdianos, guineenses e são tomenses e bastantes angolanos todos tratados com discriminações positivas e muitos direitos como determina o TEDH.Tudo culpa dos golpistas do 25 claro que se recusaram a andar com o pacote de margarina na mão para serem comidos à vontade do freguês...

Vivendi disse...

Discussões sérias na Assembleia da República no tempo do Estado Novo

O Orador: - Entre nós cedo se reconheceu o carácter da crise generalizada, e, conquanto se haja recorrido também, segundo as exigências do momento, a um intervencionismo moderado, logo se lançaram as bases da nova estrutura económica, agora a concluir a sua organização instrumental.

O Estado é levado a lutar contra o capitalismo e contra o colectivismo para instaurar a nova ordem económica. Contra o capitalismo hipertrofiado, ameaçando e limitando a própria soberania do Poder; contra o colectivismo, a hipertrofia do social, tão aniquiladora da personalidade como o capitalismo.

Diagnosticando a crise e origem do mal e o perigo dos remédios, ergueu-se a voz da Santa Sé, que, pela boca do Papa Pio XI, se exprimiu, na encíclica Quadragésimo Anno, nestes termos severos, mas exactos: «É coisa manifesta que nos nossos tempos, não só se amontoam riquezas, mas se acumula um poder imenso e um verdadeiro despotismo económico nas mãos de poucos, que as mais das vezes não são senhores, mas simples depositários e administradores de capitais alheios, com que negoceiam a seu talante.

Este despotismo torna-se intolerável naqueles que, tendo nas suas mãos o dinheiro, são também senhores absolutos do crédito e por isso dispõem do sangue de que vive toda a economia, e de tal maneira a manejam que não pode respirar sem sua licença. Eis diagnosticado o mal profundo que abala o Mundo e simultaneamente indicado como o poder político se deslocou para os gerentes da empresa capitalista e o poder económico para a banca.

Burnhams já no livro célebre A Revolução dos Directores assinalara de maneira notável essa deslocação do poder político que a burguesia detinha desde a época liberal.

E, levantando a voz autorizada, o Santo Padre adverte igualmente contra o liberalismo, o colectivismo e também contra o estatismo, embora chamando o Estado à acção que, como promotor do bem comum, é sua obrigação exercer.

Von Mises escreveu, a propósito do intervencionismo, estas palavras sombriamente verdadeiras: «O intervencionismo é um tributo que deve pagar-se à democracia, a fim de manter o sistema capitalista».

Desejo acentuar que von Mises é um liberal puro, sacrificando ainda nas aras da livre concorrência e do equilíbrio espontâneo.

Repudiando, portanto, o intervencionismo como antieconómico, parece admitir, contudo, um sistema intermédio entre o capitalismo, caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção, e o colectivismo, ao escrever: e Só nos importa não ter alguém conseguido mostrar que - posto de lado o sindicalismo - é concebível e realizável ainda uma terceira organização social entre os sistemas, ou junto dos sistemas, da propriedade privada e da propriedade colectiva dos meios e produção. O sistema intermédio da propriedade individual regulada, dirigida e limitada por medidas governamentais é ilógico e está cheio de contradições; toda a tentativa para o realizar seriamente tem de levar a uma crise à qual só, o socialismo ou o capitalismo conseguiriam dar solução». Seja-me permitido notar que von Mises ressalva o sindicalismo e considera-o, portanto, capaz de realizar a terceira organização social intermédia. A ser assim, pode concluir-se que o corporativismo, como superacção do sindicalismo e sistema integrador deste, pode realizar essa terceira organização social, pois não me parece duvidoso que o corporativismo parte do sindicalismo para operar a síntese dos grupos sindicalizados.

Da opinião autorizada de von Mises há que reter, contudo, uma séria advertência política e social: ou o corporativismo consegue dar à economia uma nova estrutura ou a crise se agravará e só será possível sair dela ou para um capitalismo ainda mais monstruoso ou para o colectivismo. Aqui reside a delicadeza do assunto em debate.

Vivendi disse...

Ora para assunto de tanta monta pareceu-me escasso o tempo concedido para estudá-lo convenientemente e discuti-lo em muitos aspectos de suma importância. Da brevidade do tempo me valho, não para desculpar erros, mas omissões de que eu próprio tenho consciência.

Como estrutura económica, que novos elementos caracterizam o corporativismo e o opõem ao capitalismo e ao colectivismo ?

O fim do capitalismo é o lucro. A economia desumanizou-se no sentido de que o homem não é o fim exclusivo da produção, como sucedia na economia pré-capitalista e, de modo bem característico, na época artesanal. Aqui a produção era destinada a clientes certos e para satisfazer necessidades imediatas. Na economia de troca, que sucedeu à artesanal, e a que Sombart chamou economia de sustento ou manutenção, já o humanismo se esbate, pois o produto passa à categoria de mercadoria e, nessa qualidade, a fim da actividade produtora. Nesta fase a actividade lucrativa por excelência é o comércio.

Quando a produção teve ao seu dispor o equipamento que uma técnica científica em permanente progresso lhe fornecia o fim passou a ser a própria produção. A inversão enorme de capital que as grandes unidades industriais requeriam só poderia amortizar-se e garantir o lucro se as máquinas trabalhassem a pleno rendimento. A diminuição do trabalho, e, portanto, da quantidade de mercadoria, representava um prejuízo que não poderia suportar-se por muito tempo. Daqui que o gigantismo capitalista necessite de um consumo activo e em permanente desenvolvimento; daqui a técnica das vendas para fomentá-lo e as várias intervenções indirectas do Estado para manter ou aumentar o consumo e salvar a produção capitalista. A produção é, pois, e em si mesma, o fim a atingir e a manter em constante expansão. Ora esta economia em permanente expansão tem também limites que não pode forçar, mas se pára morre!

Vozes: - Muito bem!

O Orador: - E o homem, que representa paru este gigantismo económico? O homem é, antes de tudo, o consumidor. O homem real pouco importa, mas importa a sua capacidade de consumo, que deve ser fomentada cada vez mais. Em resumo: o homem, escravo da máquina. A isto conduziu o liberalismo.

Ora o colectivismo, que, no fundo, é também uma forma de individualismo, surgiu como reacção e correctivo ao capitalismo. Enquanto o liberalismo erigiu a liberdade individual em fim e gerou o capitalismo, o colectivismo dirige-se para a igualdade pela supressão do lucro e supremacia da colectividade. Agora a produção, isto é, o lucro, já não interessa como fim, mas apenas o bem social, ao qual o homem é sacrificado.

Também aqui o homem real deixou de existir, massificado, absorvido pela sociedade e transformado em meio para atingir o bem social. O fim é a colectividade em si mesma, o seu bem.

Ora o corporativismo, tal como consigo entendê-lo, está entre os dois extremos.

Assembleia Nacional do Estado Novo, numa sessão realizada a 13 de Julho de 1957, pelo deputado António da Fonseca Abrantes Tavares.

Euro2cent disse...

Já aprendi uma ou duas coisas que não eram aparentes no momento.

E vêm-me à memória os retratos imbatíveis que José Vilhena fez do Portugal(zinho) dos anos sessenta.

Zé Luís disse...

rebolei-me a rir!!!

Euro2cent disse...

Vivendi, obrigado pelas citações.

Ajudam-me a perceber o meu achado deste mês: os comunistas são liberais sem dinheiro ...

zazie disse...

ehehe

É verdade- li essa e achei um piadão.