sexta-feira, janeiro 29, 2016

Perpétua vitimização

Genocide scholar blasts Israel's 'racist' teaching of the Holocaust 

«Prof. Yair Auron's thesis is clear: Israel prefers to avoid, repress and minimize the suffering of other peoples in the Holocaust and other circumstances, to perpetuate victimization and isolationism. »

Há um nome erudito para isto: Tanato-proxenetismo.  Mas isso é apenas instrumental. A finalidade objectiva passa pela auto-segregação no retorno ao uberghetto.  Até porque este, ao contrário dos outros "campos de concentração" involuntários, possui a virtude suprema de ser absolutamente exclusivo.

3 comentários:

João José Horta Nobre disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João José Horta Nobre disse...

Dê por onde der, os sionistas precisam de nós, pois sem Europa não haverá Israel:

http://historiamaximus.blogspot.pt/2015/09/os-sionistas-precisam-de-nos-ou-porque.html

http://historiamaximus.blogspot.pt/2015/12/querem-os-sionistas-dar-um-tiro-nos.html

Anónimo disse...

'...sem Europa não haverá Israel:'

Nao sei se é assim. É verdade que sem alemanha acaba-se-lhes uma boa parte da mama. Mas podem sempre aumentar a parasitose aos eua.

Um bons parasitas e umas boas "vítimas" arranjam sempre quem os alimente.

Os gajos são tão maluquinhos que pensam que podem destruir tudo e depois vem o messias salvá-los.

Um dia sai-lhes um "especial de corrida" na rifa, e lá vão de vez pró galheiro. Já tiveram uma amostra no século passado. Não aprenderam nada.

Chutzpah cosher a molhos.